Fale Conosco

24 de outubro de 2011

Escola Especial de Música Juarez Johnson comemora dois anos de fundação



escola especial de musica foto joao francisco secom pb (1)

Alunos especiais aprendem a tocar violino. Foto: João Francisco/Secom-PB

Com a finalidade de integrar crianças e jovens portadores de necessidades especiais por meio da música, a Escola Especial de Música Juarez Johnson (EEMJJ) celebra dois anos de fundação. Inaugurada em 25 de outubro de 2009, a Escola é o equipamento cultural da Fundação Espaço Cultural da Paraíba (Funesc) que atende crianças com deficiência.

O projeto da EEMJJ foi idealizado pelo ex-gestor da Fundação, Maurício Burity e pela coordenadora da Escola, Patrícia Johnson, filha do violoncelista Juarez Johnson, patrono da EEMJJ, que integrou a Orquestra Sinfônica da Paraíba e dirigiu o Theatro Santa Roza.

A Escola atualmente atende crianças e adolescentes, com idade entre 01 e 15 anos, portadores de síndrome de Down, síndrome de Asperger, síndrome de Willian, mutismo, nanismo, autismo,deficiência visual, hidrocefalia, paralisia cerebral. “A Escola Especial de Música é um espaço de trocas. Trocas de experiências musicais, energias, sentimentos e carinhos entre professores, alunos e terapeutas”, conta Patrícia Johnson.

Com 44 alunos matriculados, a procura pela EEMJJ é grande. O local é referência no ensino de música aos portadores de necessidades especiais. Cada criança assiste a duas aulas por semana com atendimento individual. Este método permite que o professor conheça as dificuldades e aptidões do aluno e, assim, possa desenvolver um trabalho que aproveite da melhor forma possível as potencialidades da criança. O objetivo é aguçar os estímulos por meio de analogias com cores e números e alcançar um resultado promissor em um menor espaço de tempo.

O conteúdo das aulas varia de acordo com o ritmo e percepção de cada um deles. Alguns têm contato com a teoria musical, mas o foco das aulas se concentra na prática. “O objetivo das aulas é fazer com que a música aconteça na vida das crianças pelo contato com o instrumento e com o ritmo”, explica o professor de piano Leonardo Limongi.

O corpo docente é formado por cinco músicos que ensinam piano, violino e violoncelo. A equipe conta também com o suporte de quatro profissionais especializados: psicólogo, terapeuta ocupacional, enfermeiro e fonoaudiólogo, profissionais que não se limitam ao exercício da profissão. “Acolhemos todas as crianças como filhos e nos doamos por inteiro ao projeto. Nesses dois anos de estrada agradecemos a Deus pelos resultados alcançados e ao Governo do Estado à nossa presidente da Funesc, Lu Maia, que deu continuidade a esse projeto de amor”, comemora Patrícia.

funesc ESPECIAL - escola de musica foto Estudio Angela Queiroz 1Melhorias estruturais já foram realizadas neste ano, mas a expectativa da presidente da Funesc é ampliar a Escola. “Já fizemos algumas melhorias como a aquisição de fardamentos, contratação de professores, mas pretendemos ampliar o espaço para que mais pessoas sejam contempladas”, adianta Lu Maia.

Congresso internacional – A EEMJJ vai representar o Brasil no Congresso Internacional para Crianças Especiais em Música. O evento, intitulado “Gain Kids”, acontecerá de 8 a 11 de dezembro nos Estados Unidos com objetivo de promover uma troca de experiência entre educadores e estudantes.

Patrícia Johnson conta que alguns dos alunos deverão devem participar do Congresso Internacional, bem como parte da equipe multifuncional. “O segredo do trabalho é muita dedicação, com amor e paciência. Estão todos com uma grande expectativa para o evento”, comenta.