João Pessoa
Feed de Notícias

Empreender PB investe em realidades e viabiliza sonhos

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013 - 11:59 - Fotos:  Francisco França/Secom-PB

“Fechei meu comércio para pagar o tratamento de saúde da minha filha e por três anos fiquei desempregada. Nesse período fomos sustentados por familiares. Hoje estou reabrindo as portas com o crédito concedido pelo governo do Estado e vivendo um novo tempo”. A frase, da comerciante Maria das Dores, da cidade de Remígio, localizada no Curimataú Paraibano, resume um período de dificuldades que ficou para trás. A padaria, que ficou fechada por três anos, período de tratamento da filha mais nova, foi reaberta em dezembro de 2012, graças ao crédito concedido pelo programa Empreender Paraíba.

O casal, que parecia não ter mais esperanças, se agarrou na oportunidade e agora começa a ver o futuro com outras cores. “Reformamos o prédio, trouxemos funcionários. Hoje, a padaria já foi contratada para fornecer pães para duas prefeituras de regiões vizinhas. São outros tempos”, disse animada a comerciante. 

Em dois anos de atuação na Paraíba, o programa Empreender-PB investiu cerca de R$ 24 milhões em negócios individuais e coletivos em todo o Estado, um aumento de mais de 144% sobre 2011, quando foram liberados R$ 9,8 milhões para municípios paraibanos.

Com foco principalmente nos pequenos negócios individuais o programa vai ser ampliado beneficiando mais de 15 mil novos empreendedores. “Em 2012 o programa surpreendeu alcançando um número acima do esperado de liberações. A previsão para 2013 é que o governo invista R$ 30 milhões atendendo mais 15 mil novos beneficiados através das linhas de crédito disponíveis”, informou o secretário Executivo do Empreender- PB, Tácio Pessoa. 

O gestor disse ainda que só em 2012 mais de cinco mil novas empresas iniciaram as atividades com o auxílio financeiro do programa. Ao todo, foram mais de 10 mil empreendimentos ajudados pelas linhas de crédito do Empreender-PB.

Foi o que aconteceu com a Indústria de Papel da Paraíba (Ipelsa). A empresa, que funcionou por 50 anos na cidade de Campina Grande, parou as atividades em fevereiro de 2011 e iria fechar as portas quando 48 funcionários, então demitidos, resolveram assumir o negócio e criar uma cooperativa. Nascia, a partir de então, a Cooperativa de Produção de Papel da Paraíba (Coopapel).

A iniciativa, que parecia absurda aos olhos de alguns, criou corpo graças ao apoio logístico oferecido pelo Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas da Paraíba (Sebrae-PB), pelo Sindicato e Organização das Cooperativas da Paraíba (Sescop-PB) e ao empréstimo que o grupo realizou com o Empreender-PB. “Adquirimos o crédito de R$ 500 mil para aquisição de duas novas máquinas. Nossa linha de produção passou para 210 mil fardos de papel por mês, o que representa quase um milhão de reais de faturamento. Hoje vendemos para todo Nordeste, conquistamos novos clientes e garantimos os antigos”, comemorou o presidente da cooperativa, Ricardo de Oliveira.

Além de garantir o emprego, a cooperativa de papel ampliou os benefícios para os cooperados. “Nossa primeira preocupação foi melhorar a vida daqueles que ganhavam salário mínimo. Hoje, todos os cooperados têm plano dentário; plano pós-vida; plano de saúde; seguro de vida; incentivos trabalhistas; prêmio assiduidade; prêmio produção. Também montamos um restaurante, que oferece três refeições. Valorizamos o cooperado, melhoramos a qualidade do trabalho, sem falar que hoje ele trabalha no que é seu”, explicou o presidente.

A mudança foi logo percebida pelo antigo operador de máquina Kleberson Balbino. “Assim que mudamos para a cooperativa meu trabalho foi reconhecido e eu fui logo promovido para técnico de qualidade. Hoje as coisas estão melhores, as pessoas trabalham com mais recursos, são reconhecidas, sem falar que o salário também aumentou”, disse Balbino.

A Paraíba representa 30% das vendas de papel higiênico da Coopapel. A cooperativa também vende para oito estados do Nordeste, gerando mais 1500 empregos indiretos, que vão desde a parte da produção, carregamento até a reciclagem de papel.

A Coopapel reaproveita, mensalmente, quase mil toneladas de papel que teriam como destino final os lixões. “O papel que seria jogado no lixo, hoje é convertido em papel higiênico”, afirmou o presidente.

De acordo com Tácio Pessoa, entre as prioridades do programa para este ano está a implantação de complexos turísticos em todo o litoral paraibano, semelhante ao inaugurado em dezembro na praia de Coqueirinho, no litoral sul. O crédito adquirido pela Associação dos Donos de Barracas na Costa do Conde (ADBCC), na ordem de R$ 500 mil, foi utilizado para a construção de nove quiosques, oito bares e uma loja de artesanato.

O Empreender-PB tem sido um dos principais agentes econômicos de milhares de paraibanos. Com uma boa ideia na cabeça e um crédito na mão é possível sim investir e transformar sonhos em realidade.

Linhas de crédito – O Empreender-PB trabalha atualmente com cinco linhas de crédito: Individual, Coletivo, Artesanato, Gás Natural e Mulher. Cada linha de crédito possui a sua especificidade. Para conseguir o crédito é necessário ter acima de 18 anos e ter registro da empresa, associação ou cooperativa no Estado da Paraíba há pelo menos seis meses. Informações sobre o programa podem ser adquiridas através do contato (83) 3218-4428 e nas redes sociais Facebook ‘Empreender Paraíba’; Twitter  ‘@EmpreenderPB’.