João Pessoa
Feed de Notícias

Embaixada do Haiti quer estreitar parcerias com empresas paraibanas

terça-feira, 1 de novembro de 2011 - 00:40 - Fotos:  José Marques/Secom-PB

O governador Ricardo Coutinho recebeu, no final da tarde desta segunda-feira (31), no Palácio da Redenção, o embaixador do Haiti no Brasil, Pierre Jean, e empresários paraibanos para discutir relações comerciais entre a Paraíba e o Haiti. Durante o encontro, o embaixador do Haiti convidou empresários paraibanos a visitarem o país no dia 29 de novembro e conhecerem de perto as oportunidades de entrarem nos mercados do Caribe e EUA.

Durante esta terça-feira (1º), Pierre Jean e o membro da Comissão pela Reconstrução do Haiti, Pierre Nadji, acompanhados de representante do Governo, visitarão empresas paraibanas, como a Vijai Elétrica, Intrafrut, Coteminas e Interblok (pré-moldados) para conhecer a produção e discutir parcerias futuras.

O embaixador Pierre Jean disse que está muito satisfeito com a reunião, com o governo e com os empresários paraibanos. Ele comentou a importância da futura visita em seu país. “A relação entre o Brasil e o Haiti é muito estreita desde 2004, com a presença militar do Brasil no processo de estabilidade política do país. O Brasil é um dos  países mais importantes na reconstrução do Haiti. Queremos ampliar a relação unilateral, que hoje está concentrada em 70% com os Estados Unidos”, destacou o embaixador.

Ricardo Coutinho ressaltou que o Haiti representa mais um espaço para as empresas paraibanas ampliarem seu mercado e aumentarem a sua produção, principalmente pelo processo de reconstrução e por força de uma legislação internacional para a reconstrução daquele país.

Outro ponto positivo, segundo Ricardo Coutinho, é o leque de obras de infraestrutura que já estão sendo feitas e devem ser ampliadas, criando um cenário onde as empresas locais na área da construção civil devem participar das licitações promovidas no país. “Fomos procurados por representantes do governo do Haiti e do setor privado na viagem a Cuba e organizamos essa reunião onde eles puderam expôr a realidade no país e as perspectivas de futuro para que nossas empresas possam se desenvolver, crescer e se instalar na Zona de Processamento de Exportação que está sendo construída ao Norte do Haiti”, completou.

Ricardo ressaltou que a construção civil é o setor que mais cresce na Paraíba com o porcelanato, grande produção de cimento, e esse potencial não deve dialogar somente com a Paraíba, mas com o mundo. “E o que estamos querendo é que o Estado esteja presente  onde haja oportunidades”, frisou.

Pierre Nadji disse que 70% das relações comerciais do país são com os norte-americanos e que o governo pretende, com financiamentos internacionais, atrair investimentos de outros mercados no continente americano, Europa e Ásia. Pierre disse que o setor da construção civil é o mais importante com projeto de  construção de 200 mil casas em Porto Príncipe, mas a perspectiva de investimento se abre para os  parques industriais em área de Zona Franca com indústria têxtil, confecções e calçados.

“Neste contexto verificamos que as empresas paraibanas são bem dinâmicas e qualificadas. O Haiti representa uma grande oportunidade para as empresas locais desenvolverem o seu mercado externo e, ao mesmo tempo,  produzirem e gerarem empregos aqui. O investimento no Haiti também pode representar uma plataforma atraente para a entrada, sem impostos, no mercado dos Estados Unidos devido à legislação e a proximidade”, completou Pierre. 

A reunião contou com representantes de entidades importantes do segmento comercial, como a CDL (Câmara de Dirigentes Logistas), Fecomércio (Federação do Comércio de Bens e Serviços), instituições da área educacional como IFPB e UEPB, e de algumas indústrias com perfil de investimento. O presidente da Fecomércio, Marconi Medeiros, parabenizou o governo pela visão de prospectar novos mercados para as empresas paraibanas destacando as áreas da construção civil, calçados e confecções.

Pelo Governo do Estado também estiveram presentes o presidente da Companhia Docas, Wilbur Jácome, a presidente da Cinep, Margarete Bezerra Cavalcanti, o secretário de Desenvolvimento Econômico, Renato Feliciano, e o secretário executivo de Indústria e Comércio, Marcos Procópio.

Wilbor Jácome destacou a importância de o governo perceber o entendimento estratégico do Haiti no contexto logístico para atender o Caribe e a América do Norte pela mão de obra barata e com a possibilidade de manufaturar o produto na Paraíba e enviar para o Haiti para receber o acabamento. “A partir daí esse produto produzido no nosso Estado poderia entrar nos Estados Unidos e Caribe com  tarifa zero até 2020”, explicou.