Fale Conosco

25 de março de 2013

Emater reúne agricultores familiares para troca de experiência na convivência com estiagem



Agricultores familiares assessorados pela Emater Paraíba estão participando de encontro de avaliação final da Chamada Pública do Cariri Ocidental e do Plano Brasil Sem Miséria e trocando experiências que ajudam na convivência com a estiagem, além de conhecerem ações que vêm garantindo a geração de oportunidade de trabalho e de renda na região, como a criação de caprinos, galinha de capoeira e, principalmente, discutindo o manejo correto da caatinga. O evento acontece na Escola Agrícola Deputado Evaldo Gonçalves de Queiroz, em Sumé.

Iniciado nesta segunda-feira (25), o encontro prossegue nesta terça-feira (26), quando serão apresentados os resultados finais das ações realizadas junto às famílias agricultoras. No primeiro dia do evento, os próprios agricultores falaram sobre suas experiências, dando oportunidade para que outros pudessem conhecer o que vem sendo feito nos municípios da região.

O agricultor familiar José Gouveia, do Sítio Jaranataí, em Parari, com 53 hectares, falou sobre sua experiência no manejo da caatinga para o cultivo de maniçoba destinada a alimentação do seu rebanho de caprinos e ovinos, o que reduz em até 30% os custos e eleva a produção de leite por cabra. “Todo o nosso trabalho é feito seguindo a orientação técnica da Emater, o que tem nos garantido elevar a produção com redução dos nossos custos e permitido uma maior lucratividade”, afirmou.

José Gouveia trabalha com 40 cabras leiteiras para produzir leite e mais um plantel de 120 ovelhas para o abate, que comercializa nas cidades da região. Ele disse que com o trabalho de manejo correto da caatinga é possível manter uma regularidade da produção de leite, com uma média de 30 litros todos os dias. Também é fornecedor do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA).

Outro que também apresentou sua experiência foi o agricultor familiar Erivaldo Ferreira (Fia), do Sítio Exu, em Prata, onde tem um plantel de 27 cabras que mantém numa área de 14 por 60 metros, além de ainda fornecer espaço para um amigo criar uma vaca.  “Não troco minhas cabras por nenhuma vaca, porque, fazendo as contas, cheguei a conclusão de que é mais barato a criação de caprinos”, afirmou.

Outros agricultores falaram sobre a criação de aves alternativas em pequenos espaços, com recursos do Plano Brasil Sem Miséria, o que tem garantindo a geração de oportunidade de renda.