João Pessoa
Feed de Notícias

Emater incentiva criadores do Brejo a adotarem sistema de silagem

segunda-feira, 4 de setembro de 2017 - 16:06 - Fotos: 

A prática de silagem adotada nas regiões do semiárido, que garante alimentação de animais em período de longas estiagens, está servindo de exemplo para agricultores do Brejo paraibano que também estão sendo orientados a fazer o armazenamento de forragem. Dessa maneira, acreditam que poderão manter seus rebanhos durante estiagens, principalmente de bovinos e ovinos.

Na semana passada, na comunidade Umburanas, no município de Esperança, o agricultor Pedro dos Santos, fez a silagem de dois silos de superfície com 25 metros  de cumprimento por seis metros de largura e x 1,20 metros de altura, numa ação que vem sendo estimulada pelo Governo do Estado, por meio da Gestão Unificada Emepa/Interpa/Emater, vinculada à Secretaria do Desenvolvimento da Agropecuária e da Pesca. São 180 toneladas de silagem, que devem ajudar na alimentação de seus 40 animais por mais seis meses em período de estiagem.

Para a realização da silagem, o agricultor foi orientado a usar como material milho e sorgo, colhidos a partir de sementes recebidas do Governo do Estado. Com essa iniciativa, Pedro dos Santos está se antecipando a uma possível falta de ração para alimentar seu rebanho.

O criador foi orientado pelo extensionista rural Gilvan Salviano de Araújo, do escritório local de Emater em Esperança, aderindo a essa prática de armazenamento de ração animal, num exemplo que já está sendo seguindo por outros agricultores familiares da região.

O coordenador regional da Emater em Areia, Auto Martins, lembrou que por meio da parceria com o Sindicato dos Trabalhadores Rurais do Município está sendo possível desenvolver ações que estão ajudando na melhoria da qualidade de vida da agricultura familiar, a exemplo desta ação em favor dos criadores.

A Emater vem orientando os criadores para a prática de silagem na alimentação animal para utilização durante o período de estiagens, preparada com sorgo, milho ou capim elefante, em todas suas 15 regiões administrativas,  sobretudo com mais intensidade nos escritórios localizados no Sertão e Cariri, mas agora também vem intensificando no Brejo. Trata-se de uma orientação do Governo do Estado, por meio da Gestão Unificada, com efetiva participação de extensionistas que orientam os criadores.

Para manter uma reserva estratégica de ração para o rebanho objeto de pesquisas, a Emepa tem feito o armazenamento de forragem na sua Estação Experimental de Alagoinha.