João Pessoa
Feed de Notícias

Emater incentiva criação de caprinos como alternativa econômica e social

quinta-feira, 29 de dezembro de 2011 - 14:58 - Fotos:  Secom-PB

Criação que não exige grandes extensões de terra ou grandes recursos para sua aquisição e instalação, a caprinocultura, hoje, é a alternativa agropecuária economicamente mais indicada para o Nordeste, uma região de terras mal distribuídas, de maioria minifundiária e de clima severo. A cabra se adapta bem a essas condições e tem prosperado na Paraíba.

Essa carne já é o principal alimento infantil e de idosos das classes sociais mais pobres, nas regiões do Semiárido. O caprino vem encontrando, nos últimos tempos, um mercado em que a demanda é bem maior do que a oferta regional, como é o caso do leite, que nos grandes centros não supre a procura. A busca pela carne nas feiras livres e mercados é quase igual à da carne bovina.

Esse cenário faz com que a caprinocultura atraia interesses de grandes e médios produtores e também de agricultores familiares, abrindo mercados e despertando a atenção de investidores. O Governo do Estado percebe nessa atividade uma alternativa econômica que pode ser um investimento social, sustentável e altamente produtivo, já que pode gerar emprego, melhorar renda e levar qualidade de vida às comunidades do interior.

Com uma produção diária de aproximadamente 18 mil litros, a Paraíba é o maior produtor de leite de cabra do Brasil. Por dia, são injetados nesse setor cerca de R$ 25 mil, sendo que mais de 90% vêm de recursos do governo, que absorve a produção por meio dos programas Fome Zero e Leite da Paraíba.

“Considerando a produção diária, essa atividade gera anualmente cerca de R$ 9 milhões só com o leite”, calcula Everaldo Cadena, médico veterinário da Emater e especialista em caprinovinocultura. Na opinião dele, os números fazem mais do que colocar o Estado no ranking de produção de leite de cabra. “Essa atividade ameniza a situação de pobreza de uma região sofrida e castigada por longos períodos de estiagens. É no Cariri, no Sertão e no Curimataú que a caprinocultura se tornou a principal atividade agropecuária e econômica”, arrematou.

Rebanho – Nessas regiões, circula um rebanho de 624 mil cabeças de caprinos, dos quais 25% são cabras leiteiras. Nas três regiões, 1.133 famílias agricultoras dependem da atividade e estão distribuídas em 37 associações, que possuem 11 pequenas usinas de beneficiamento.

A experiência da Emater Paraíba com a caprinovinocultura tem a idade da fundação da empresa. Começou como uma atividade de extensão rural, de caráter eminentemente educativo, atraindo adolescentes de origem pobre, principalmente das regiões do Agreste e do Cariri, para incrementar o antigo Projeto Cabra de Corda.

A iniciativa foi bem aceita pelo pequeno número de criadores, mas não teve a difusão e a amplitude que se esperava. O entusiasmo da Emater não era bem dimensionado pelo Governo, dividido entre outros projetos, nem sempre com o mesmo alcance social.

Foi  a partir de 1978, com a criação do Centro Nacional de Pesquisa de Caprino, em Sobral, por meio da Embrapa, que surgiram as empresas estaduais de pesquisas na área de caprinos. A partir de então, a cabra passou a ser vista com cuidados técnicos.

Na Paraíba, coube à Empresa Paraibana de Pesquisa Agropecuária (Emepa) o direcionamento das pesquisas. Hoje, os excelentes resultados com a caprinovinocultura alcançam repercussão internacional, resultado do melhoramento genético, sanidade animal e difusão dessas informações pela Emater Paraíba.