Fale Conosco

11 de outubro de 2011

Emater combate cochonilha-do-carmim em Junco do Seridó



A Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural da Paraíba (Emater/PB) está trabalhando para evitar o alastramento da praga denominada cochonilha-do-carmim na região do Seridó paraibano. Denominado cientificamente de Dactylopius opuntiae, o inseto apareceu no município de Junco do Seridó. A praga foi descoberta na comunidade Aldeia, pertencente ao agricultor familiar Haroldo Lins de Medeiros, que tem um criatório de palma forrageira.

A cochonilha-do-carmim é uma praga que ataca a palma forrageira – planta utilizada na alimentação de rebanhos como bovinos, caprinos e ovinos. Ela se alimenta da seiva das plantas e introduz nelas vírus ou toxinas que deixam a amarela e murcha. Isso faz com que a palma forrageira seja completamente destruída dentro de poucos meses, caso a praga não seja combatida rapidamente.

Com a destruição das plantações da palma forrageira, a produção leiteira das regiões afetadas sofre grandes prejuízos, daí a necessidade de providências urgentes para localizar e combater o problema. Para identificar a praga, a forma mais eficiente é a verificação da presença de flocos brancos (colônias) nas raquetes da palma. Ao esmagar as colônias, há a liberação de líquido avermelhado.

Além de ajudar na identificação da cochonilha-do-carmim, os técnicos da Emater/PB tentam conscientizar produtores e criadores da região para a necessidade de cuidados na aquisição das mudas de palma para o plantio. Apesar disso, acredita-se que a praga surgiu em Junco do Seridó devido ao transporte clandestino da palma de regiões de Pernambuco ou Rio Grande do Norte, utilizando-se estradas vicinais clandestinas, conforme relato de alguns criadores.

Desde a descoberta da praga, ocorrida há 15 dias, diversas visitas vêm sendo realizadas pela equipe do escritório local da Emater, em companhia do secretário da agricultura de Junco do Seridó, e com a participação de agricultores produtores de palma de outras localidades próximas ao local infestado.

Segundo os técnicos Haroldo Lins de Medeiros e Kleber Fernandes de Medeiros, responsáveis pelo trabalho de controle da cochonilha, para amenizar o problema é preciso que sejam tomadas providências urgentes.

A comunidade Aldeia fica localizada a três quilômetros da sede do município, na estrada do Distrito de Bom Jesus. A população é composta por agricultores familiares e garimpeiros que vivem basicamente da agropecuária e da extração mineral. As principais atividades agrícolas são o cultivo temporário de sequeiro, com o plantio consorciado de feijão e milho, e de hortas, em pequena escala. Há ainda o cultivo de cajueiro e de outras fruteiras como pinha, manga e goiaba.

No caso da criação animal, os principais plantéis estão na avicultura e na bovinocultura. Há também, em menor escala, atividades econômicas relacionadas à caprinocultura e à suinocultura.