Fale Conosco

21 de maio de 2009

Emater amplia assistência técnica ao setor pesqueiro



Consolidar uma política para o desenvolvimento sustentável da aquicultura e pesca no Estado é o objetivo do projeto que a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural da Paraíba (Emater-PB) enviou ao Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), bem como à Secretaria Especial de Aquicultura e Pesca (SEAP) da Presidência da República, justamente para ampliar o apoio técnico ao setor pesqueiro estadual.

O projeto, denominado Paraíba na Rede, prevê a construção do sistema paraibano de assistência técnica e extensão pesqueira e aquicola para apoiar os programas de Formação de Redes de Ater e Territórios da Cidadania, desenvolvidos em várias áreas do Estado.

O documento foi entregue ao superintendente da Delegacia da Pesca da Paraíba, Anísio Maia, pelo diretor técnico da Emater, Afonso Waltemir Cartaxo, durante a 3ª Conferência Estadual de Aquicultura e Pesca realizada na quinta-feira (14), no município de Sousa.

O projeto, elaborado pela Emater, envolve recursos de R$ 2.395.000,00 e contempla a formação de uma equipe técnica multidisciplinar composta por engenheiros de pesca, biólogos e zootecnistas. O objetivo é criar condições de atendimento aos pescadores produtores na linha de projetos técnicos de financiamento e, principalmente, na assistência técnica para exploração racional da atividade pesqueira.

De acordo com o projeto a empresa deverá contratar 10 engenheiros de pesca para treinar e supervisionar o trabalho de 100 extensionistas de escritórios locais que prestarão assistência técnica, inicialmente, a mil pescadores, a partir de 2010.

A ampliação do trabalho de assistência ao setor aquícola e de pesca na Paraíba, segundo o assessor estadual de Piscicultura da Emater, Lino Gonçalves, vai atingir todos os segmentos da aquicultura, incluindo exploração oceânica e marítima, estuários e águas interiores. Hoje, o trabalho executado pela empresa na área de pesca situa-se apenas na orientação técnica a pequenos produtores que atuam em águas interiores.

Ele disse que a Paraíba tem hoje um potencial de oito bilhões de metros cúbicos de armazenamento de águas interiores, represadas em 3.500 açudes de grande, médio e pequeno portes, entre públicos e privados, “o que resulta no crescimento da atividade pesqueira, gerando emprego e renda a pequenos agricultores no Estado”.