João Pessoa
Feed de Notícias

Em Patos, Hospital Regional tem sala para familiares de pacientes

quinta-feira, 14 de janeiro de 2010 - 18:05 - Fotos: 

A Sala de Acolhimento para a Rede Social do SUS, construída e inaugurada recentemente pelo Governo do Estado no Hospital Regional de Patos, é pioneira no País em hospitais públicos. Até agora é a única construída e equipada objetivando a humanização no atendimento. “Até o momento, nos demais hospitais públicos houve adaptações, não há registro de um ambiente edificado exclusivamente para o acolhimento dos familiares dos pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS)”. A informação é da diretora geral do Hospital Regional de Patos, médica Paula Maia.

Paula Maia revela que a Sala de Acolhimento é climatizada, tem banheiros, televisão, e o que é mais importante: a total atenção da Ouvidoria do hospital, assistentes sociais e psicólogos disponíveis aos familiares dos pacientes em atendimento. Antes, as pessoas que acompanhavam os pacientes não tinham ambiente adequado para aguardarem notícias sobre os usuários do SUS assistidos pelas equipes médicas. Ficavam nos estacionamentos, na praça em frente ao hospital e até na urgência, prejudicando o atendimento no pronto socorro. A assessoria de imprensa do hospital também dá suporte no dia-a-dia dos profissionais no acolhimento dos familiares dos pacientes.

A inauguração da Sala de Humanização no Atendimento atende à política nacional de humanização pactuada pelo governo federal em 2003. “Os outros hospitais que já trabalham com a política nacional de humanização adaptaram salas. Nós não, construímos no padrão que o Ministério da Saúde diz que deve ser”, ressalta a diretora Paula Maia. Na recepção do Hospital Janduhy Carneiro, profissionais capacitados e identificados, que acolhem as pessoas com orientações sobre determinados procedimentos.

Identificação – O novo modelo de atendimento na urgência do Hospital Regional de Patos, oficialmente denominado de Acolhimento com Classificação de Risco, objetiva melhorar a qualidade e humanização nos serviços. Paula Maia destaca que o novo modelo está organizando e sistematizando o atendimento, possibilitando a classificação por gravidade ou grau de sofrimento dos pacientes através de cores e pulseiras de identificação.

Por exemplo: vermelho – o paciente não será submetido à classificação de risco. O atendimento é imediato. Amarelo – paciente aguardará atendimento médico em cadeira ou maca, mas será informado que o tempo para sua assistência será maior e que pacientes mais graves serão atendidos antes porque o atendimento é de menor urgência. Na cor azul – pacientes são orientados a procurar a Unidade de Saúde de Referência, com encaminhamento por escrito ou contato telefônico, ou poderão aguardar atendimento quando não mais tiverem pacientes classificados nas cores amarelo e verde para a devida assistência. Estas informações estão em um informativo distribuído pela direção do hospital.

O Hospital Regional de Patos está inserido no Plano Estadual de Atenção Integral às Urgências, uma proposta do Governo do Estado que envolverá o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu 192), com atendimento pré-hospitalar em todo o Estado nos pólos regionais de João Pessoa e Campina Grande (Hospitais de Emergência e Trauma); e ainda os hospitais regionais de Sousa e Cajazeiras. Esta rede hospitalar será referência no atendimento de emergência e trauma especializado a pacientes com risco de vida, cujos agravos necessitam de atenção imediata. De acordo com informações da Secretaria Estadual de Saúde, nestes hospitais serão utilizadas técnicas complexas de assistência, proporcionando condições dignas e seguras na realização do ato médico e seus desdobramentos.

Mais saúde – A Secretaria de Saúde do Estado programa para este ano a conclusão de obras em 15 hospitais em João Pessoa (Clementino Fraga), Emergência e Trauma (Campina Grande), Hospital Regional de Itabaiana, Taperoá, Pombal, Monteiro, além dos hospitais de Queimadas, São Bento, Pedras de Fogo, Itapororoca, Belém do Brejo do Cruz, Picuí, Sumé, Mamanguape e a Maternidade Peregrino Filho, em Patos. Estão sendo previstos nessas quinze obras investimentos da ordem de R$ 214,9 milhões, sendo R$ 126,6 milhões em equipamentos e outros R$ 88,2 milhões em obras físicas.
 

Josélio Carneiro, com fotos de manodecarvalho, da Secom-PB