Fale Conosco

3 de julho de 2013

Em apenas 24 horas chove 53% do esperado para julho na Capital



Estações meteorológicas do Governo do Estado registraram, em apenas 24 horas, 123,6 milímetros de chuva em João Pessoa. O volume foi contabilizado de terça-feira (2) para esta quarta-feira (3) pela Agência Executiva de Gestão das Águas da Paraíba (Aesa) e representa 53% do esperado para todo o mês de julho na capital paraibana.

De acordo com o departamento de Monitoramento e Hidrometria da Aesa, a previsão para esta quarta-feira (3) é de que o tempo permaneça instável em toda a Paraíba.

Nas últimas 24 horas registramos chuvas em todo o Estado, com precipitações de menor intensidade no Alto Sertão, Sertão e Cariri, mas com índices pluviométricos significativos no Agreste, Brejo e principalmente no Litoral. Isso se deve ao fenômeno denominado Ondas de Leste, que ainda está posicionado sobre parte do Nordeste com intensos aglomerados convectivos, popularmente conhecidos como nuvens de chuva”, explicou a meteorologista Marle Bandeira.

A previsão detalhada para cada região está disponível na internet, no site www.aesa.pb.gov.br, onde boletins informativos são atualizados a cada 12 horas.

Prevenção – Meteorologistas do Governo do Estado se revezam em sistema de plantão para acompanhar a variação climática de forma ininterrupta. O monitoramento é feito no Centro de Gestão de Situações Críticas (Sala de Situação), em Campina Grande.

Em casos de previsão de fortes chuvas, com aconteceu de ontem para hoje, nós enviamos comunicados para a Defesa Civil, Corpo de Bombeiros e demais órgãos responsáveis para que possam agir de forma preventiva e redobrar os cuidado no auxílio à população”, informou o presidente da Aesa, João Vicente Machado Sobrinho.

Litoral – No mês passado, os municípios litorâneos registraram os maiores índices pluviométricos: João Pessoa (487,4 milímetros), Alhandra (427,4 milímetros) e Cabedelo (425 milímetros) foram as cidades onde mais choveu em toda a Paraíba, com destaque para a Capital, que ficou 61,5% acima da média histórica.