João Pessoa
Feed de Notícias

Dirigentes fazem balanço da economia e destacam as perspectivas do turismo

segunda-feira, 28 de dezembro de 2009 - 18:18 - Fotos: 
Depois de fazerem um balanço positivo do ano de 2009 no setor econômico, que deverá fechar com um crescimento de cerca de 6%, os presidentes da Federação do Comércio de Bens Serviços e Turismo da Paraíba (Fecomércio-PB), Marconi Medeiros; da Federação das Indústrias do Estado da Paraíba (Fiep), Buega Gadelha, e o secretário de Estado do Turismo e Desenvolvimento Econômico (STDE), Edivaldo Nóbrega, previram que a economia da Paraíba vai crescer entre 5% e 7% em 2010.

O secretário Edivaldo Nóbrega é o mais otimista dos três e acha que “em função das medidas que o Governo José Maranhão vem adotando, principalmente na concessão de incentivos ficais e construção de infraestrutura, a economia da Paraíba poderá crescer mais de 7%, com destaque para o setor turístico que ajudará aos demais”.

Já o presidente da Fiep avalia que “em face de os empresários estarem acreditando no Brasil, mantendo uma política de expansão dos seus parques industriais, e dos incentivos do Governo Federal com a concessão de créditos e isenções do IPI, em 2010 teremos um crescimento entre 6% e 7%”.

Cautela – O presidente da Fecomércio-PB, Marconi Medeiros, é mais cauteloso e prevê um crescimento entre 5% e 6%. “Inicialmente, temos de dizer que depois de um início de ano de 2009 muito tenso e que nos trouxe uma série de preocupações e dificuldades, a economia brasileira conseguiu superar todos os obstáculos econômicos e já a partir do segundo semestre começou a vislumbrar um novo horizonte, o mesmo acontecendo com a economia paraibana”, disse.

Indagado sobre o índice de crescimento que a Paraíba deverá alcançar, ao chegar o final de 2009, Marconi disse que “pela última pesquisa do Instituto Fecomércio (Ifep), nós podemos dizer que o comércio terá um crescimento entre 4% e 6%. E se a gente comparar o ano de 2009 com o ano de 2008 ficará bem claro e bem patente que 2009 começou como um ano difícil, de preocupações, mas está terminando com o um ano de grandes possibilidades, tanto para o comércio quanto para a indústria, os trabalhadores e, por fim, para a sociedade paraibana e brasileira”.

Perspectivas – Sobre o comportamento da economia para 2010, Marconi destacou que “posso dizer que o Brasil foi um dos primeiros países a sair da crise financeira mundial, que atingiu em cheio grandes potências do Norte e da Europa, chegando a quebrar empresas símbolo como a General Motors, nos EUA”.

O Brasil, conforme o dirigente da Fecomércio-PB, “só saiu rapidamente do atoleiro graças ao papel importante do Governo Federal, da sua equipe econômica, que soube implementar algumas medidas corretas como a redução de impostos (caso do IPI-Imposto sobre Produtos Industrializados) nos automóveis e autopeças, bem como da linha branca dos eletrodomésticos, levando a uma alavancagem do comércio varejista e, consequentemente, mantendo o nível de produção na indústria”.

Ele entende que a manutenção da produção industrial “deu uma força muito grande ao Brasil, principalmente porque manteve equilibrado o nível de emprego e, consequentemente, o nível da renda do brasileiro e do paraibano, que pode comprar e assim manter o sistema econômico em plena evolução”.

Confiança – Sobre possíveis índices de crescimento da economia da Paraíba, informou que existe “uma pesquisa mostrando o crescimento do índice de confiança do consumidor paraibano e também do Brasil de uma forma geral. Isso já é uma demonstração de que 2010 será um grande ano para o Brasil e a Paraíba, porque quando cresce a renda as vendas acompanham e, consequentemente, há uma melhoria na oferta de empregos, o que é muito importante para Estado”, concluiu Marconi Medeiros.

Turismo – A respeito de recente visita da especialista em Turismo, Anya Ribeiro, que destacou o momento especial de crescimento do turismo da Paraíba, Marconi acha a técnica está correta e a Paraíba encontrou o seu caminho, a sua vocação. “Eu não consigo entender a Paraíba e, principalmente, essa região metropolitana de João Pessoa, como tendo outra vocação senão o turismo, com o crescimento da quantidade de hotéis, bares, restaurantes e aumento da infraestrutura, como a construção do Centro de Convenções já iniciada”.

O presidente da Federação do Comércio ressaltou que os empreendimentos turísticos são geradores de empregos e de renda, a um custo muito mais baixo do que a indústria, não poluem e convivem bem com a natureza. “Esse momento especial do turismo também é demonstrado com a chegada de navios trazendo milhares de turistas que desembarcam no Porto de Cabedelo e entram na Grande João Pessoa para gerar divisas e garantir empregos e renda, a exemplo dos vôos charteres que chegarão no mês de abril, vindos da Holanda”, avaliou.

Edson Verber, da Assessoria de Imprensa da STDE