Fale Conosco

5 de maio de 2016

Dia Mundial da Higienização das Mãos é lembrado no Hospital de Trauma em João Pessoa



O Hospital Estadual de Emergência e Trauma Senador Humberto Lucena, em João Pessoa, lembrou o Dia Mundial da Higienização das Mãos nesta quinta-feira (5) realizando um questionário com os funcionários de cada setor da Assistência para saber como está sendo feito a abordagem das equipes com relação à higienização das mãos. O objetivo é conscientizá-los quanto às práticas de higiene das mãos para o contato com pacientes, equipamentos e materiais de uso contínuo.

De acordo com a infectologista Wilcelia Queiroz, coordenadora da Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH) da instituição, é necessário conscientizar os profissionais de saúde, o governo e os administradores hospitalares sobre a importância da higienização das mãos. “Os microorganismos resistentes podem ser transferidos ao paciente por meio das mãos dos profissionais de saúde. Por isso, a higiene das mãos é a medida mais simples para prevenir a propagação das infecções relacionadas à assistência à saúde. Mãos limpas salvam vidas”, explicou.

Estudos indicam que a adesão à higiene das mãos é em média de 40% quando é dada a infraestrutura de apoio, como o fornecimento contínuo e seguro de água, sabonete líquido e papel-toalha, assim como o acesso a preparações alcoólicas para a higiene das mãos. A Organização Mundial da Saúde (OMS) espera um aumento desse índice de adesão com a formação dos multiplicadores em higiene das mãos.

A infectologista relatou ainda que devem higienizar as mãos todos os profissionais que trabalham em serviços de saúde, que mantém contato direto ou indireto com os pacientes, que atuam na manipulação de medicamentos, alimentos e material estéril ou contaminado. “Antes de realizar procedimentos assistenciais e manipular dispositivos invasivos, a higienização deve ser pensada como proteção para o profissional e das superfícies e objetos imediatamente próxi­mos ao paciente, evitando a transmissão de microrganismos do paciente a outros profissionais ou pacientes”, ressaltou.