João Pessoa
Feed de Notícias

Dia Mundial da Água será lembrado em eventos do Governo do Estado

quinta-feira, 18 de março de 2010 - 10:24 - Fotos: 

Nesta segunda-feira (22), será comemorado o Dia Mundial da Água. A data foi criada pela Organização das Nações Unidas (ONU) com o objetivo de discutir ações para combater o desperdício e estimular o uso consciente do recurso natural. Na Paraíba, a data será lembrada durante uma solenidade no Palácio da Redenção, em João Pessoa, que terá a presença do governador José Maranhão.

Na ocasião, Cybelle Frazão, superintendente da Agência Executiva de Gestão das Águas da Paraíba (Aesa), irá apresentar o Relatório Anual Sobre a Situação dos Recursos Hídricos da Paraíba. O documento irá traçar uma radiografia e ajudar o governo a criar ações para prevenir a escassez de água no Estado.

Apesar de 75% da Terra serem cobertos por água, a humanidade corre o risco de morrer de sede. É que 97,5% dessa quantidade são salgados e pertencem a oceanos. Do restante, 1,5% estão em geleiras e apenas 1% é próprio para o consumo. Para alertar sobre esse problema, a ONU chegou a colocar a preservação da água como uma das oito metas do milênio que precisam ser alcançadas até 2015 por 191 países membros da organização. Entre eles, está o Brasil.

Na Paraíba, o governo tem realizado várias ações para combater o desperdício e a poluição dos mananciais, apontados por ambientalistas como os principais responsáveis pela escassez do recurso. O Estado possui 11 bacias hidrográficas. São 9.850 açudes com espelhos d’ água acima de cinco hectares que acumulam 1,5 bilhão de metros cúbicos de água. Ainda há outros 192 açudes com capacidade de armazenar 4,1 bilhões de metros cúbicos de água. Desse montante, apenas 750 milhões de metros cúbicos são utilizados.

O território ainda abriga dez mil poços e 263 postos de medição de chuvas. A reserva dos 123 principais mananciais paraibanos é controlada pela Aesa. A Agência possui quatro estações meteorológicas. Outras 14 estão sendo implantadas.  

Escassez - Apesar da aparente quantidade, a falta de educação ambiental vem tornando a água num recurso cada dia mais escassa, como alerta a presidente da Associação Paraibana dos Amigos da Natureza (Apan), Socorro Fernandes. “Ainda existe muita falta de consciência sobre o uso da água. Esse recurso é limitado e precisa ser conservado. Por isso, a população e os órgãos governamentais precisam combater o desperdício e a poluição”, observa.

Poluir rios é crime previsto em lei e passível de sérias penas. Para evitar os casos, equipes da Superintendência de Administração do Meio Ambiente (Sudema) redobram a fiscalização em todas as partes do Estado. Após serem acionados, os fiscais fazem a inspeção in loco e coletam parte da água para fazer a analise laboratorial. Se o crime ambiental for comprovado, os responsáveis são autuados e o caso é levado ao Ministério Público. 

Desperdício - Já para combater o desperdício, a Cagepa realiza uma campanha de conscientização entre a população. No site da Companhia e nas faturas entregues nas residências ao final do mês, a empresa dá orientações aos consumidores sobre uso consciente da água. Entre essas dicas, a Cagepa orienta as pessoas a manter a torneira fechada enquanto se ensaboa embaixo do chuveiro ou durante a escovação dos dentes. Outras recomendações incentivem os motoristas a lavarem os carros com baldes, no lugar de mangueiras; limpar a calçada com vassoura e não com água e inspecionar a casa em busca de vazamentos nas tubulações.

Confira as dicas:
 
Economize 20 litros

Não deixe a torneira da pia aberta. Ensaboe primeiro toda a louça, e só então enxágüe tudo de uma vez.
Não lave a calçada com a mangueira. O maior desperdício é do seu dinheiro. Calçada, a gente limpa é com vassoura.
Atenção ao vaso sanitário. Ele é responsável por até 50% do consumo da água de uma casa. Use a descarga só quando necessário e não jogue no vaso objetos que possam ser postos no lixo. Lavar o carro com mangueira resulta em um gasto de até 300 litros de água. O certo é usar balde e flanela ou estopa.

Teste o vaso sanitário

Jogue um pouco de pó de café dentro do vaso sanitário. Se o pó ficar no fundo do vaso, tudo bem. Se o pó não ficar parado, existe vazamento na válvula ou na caixa de descarga.

Teste o hidrômetro

Para checar se há vazamento entre o hidrômetro e a caixa d’água, abra o registro do hidrômetro e feche a bóia da caixa até interromper o fluxo de água. O hidrômetro deve ficar parado. Se nenhum ponteiro se movimentar, não tem vazamento.

Teste a caixa d’água

Para verificar se há vazamento entre a caixa e as instalações internas do imóvel, feche a bóia e marque o nível de água na caixa. Em seguida, feche torneiras e chuveiros e não use vasos sanitários durante uma hora. Após esse tempo, meça o nível de água na caixa. Se houver alteração, há vazamento.

Nathielle Ferreira, com informações da Assessoria de Imprensa da Aesa
Foto de Walter Rafael, da Secom