Fale Conosco

8 de março de 2014

Dia ‘D’ marca campanha contra o sarampo na Grande João Pessoa



Dia D Sarampo 2.0 270x180 - Dia ‘D’ marca campanha contra o sarampo na Grande João PessoaImunizar contra o sarampo 95% das 70.747 crianças de seis meses a cinco anos de idade nas cidades de João Pessoa, Conde, Santa Rita, Cabedelo e Bayeux. Esse foi o objetivo do Dia D da campanha de vacinação emergencial contra a doença, que aconteceu neste sábado. Nos cinco municípios, 260 Unidades de Saúde da Família ofereceram a vacina no horário das 8h às 17h. Setenta mil doses e seringas foram distribuídas para realizar a imunização, desse total, 48 mil doses foram para a cidade de João Pessoa.

A campanha foi iniciada no dia 26 de fevereiro e segue até o dia 14 deste mês, com o objetivo de interromper a cadeia de transmissão do sarampo na região Nordeste.  A vacina injetável é tríplice viral imunizando contra o sarampo, caxumba e rubéola.

De acordo com a gerente executiva de Vigilância em Saúde, Talita Tavares, a Secretaria de Estado da Saúde (SES) realizou visitas técnicas nos cinco municípios, para dar todo o suporte necessário.

Talita explicou que, além dessa faixa etária, crianças e adultos com até 49 anos que realizarem viagem para os Estados doDia D Sarampo 1.0 270x179 - Dia ‘D’ marca campanha contra o sarampo na Grande João Pessoa Ceará e Pernambuco, onde circula o vírus devem atualizar a caderneta de vacinação e tomar uma nova dose para reforçar a vacina. “Os pais estão sendo alertados no sentido de levarem seus filhos, mesmo que já tenham sido vacinados, e não esqueçam o cartão de vacinação, pois nos postos móveis a vacina só será aplicada com a apresentação do documento”, enfatizou.

A gerente destacou a importância do cumprimento das metas por parte dos municípios e a cooperação dos pais. “É necessário que todos os municípios atualizem o quantitativo de vacinas alcançado até a próxima segunda-feira (10), para juntos avaliarmos e adotarmos estratégias para o cumprimento da meta. Sem o esforço dos municípios e o apoio dos pais é impossível atingirmos o número estabelecido, por isso é de extrema importância que os pais levem seus filhos até o Posto de Saúde da Família mais próximo de sua casa, para atualizar a caderneta de vacinação”, disse Talita, que lembrou ainda que mesmo as crianças de seis meses a cinco anos, que já foram vacinadas contra o sarampo, devem tomar uma nova dose para reforçar a proteção.

Em João Pessoa, além de todas as Unidades ficarem abertas, 10 postos móveis foram instalados em locais de grande movimentação: Bompreço, da Av. João Machado; Atacadão, no José Américo; Manaíra Shopping; Shopping Sul; Shopping Tambiá; Carrefour da BR-230 e do Bancários; Hiper Bompreço da BR-230; Extra, da Av. Epitácio Pessoa e Superbox Brasil, no bairro do Bessa.

Para Guiomar Medeiros, coordenadora de Vigilância em Saúde da cidade do Conde, a vacinação é de extrema importância na região por se tratar de uma área litorânea, com grande quantidade de turistas. “É sempre bom prevenir. Com a imunização, nossas crianças ficarão protegidas da doença”, disse a coordenadora que destacou também que nove unidades foram disponibilizadas para garantir a vacinação de 1.945 crianças existentes na cidade com o apoio de 70 profissionais de saúde.

Dia D Sarampo 3.01 270x180 - Dia ‘D’ marca campanha contra o sarampo na Grande João PessoaA dona de casa Maria das Neves Araújo Pereira foi uma das mães que compareceu na Unidade Básica de Saúde Nossa Senhora da Conceição, localizada na cidade do Conde, para atualizar a vacinação do filho Luciano, de 4 anos. “A vacina previne nossos filhos de doença, então hoje tirei um tempinho para cuidar da saúde do meu filho”, contou.

Importância – O sarampo é uma doença de elevada transmissibilidade que pode atingir crianças e adultos. A transmissão acontece diretamente de pessoa para pessoa, através das secreções expelidas ao tossir, espirrar ou falar. Em 2013, o Ministério da Saúde registrou 200 casos da doença, sendo 190  só na região Nordeste.

Contraindicações – A vacina contra o sarampo não deve ser administrada em crianças com imunodeficiência congênita ou adquirida, câncer, ou que estejam em tratamento utilizando corticosteroides em esquemas imunodepressores. As crianças submetidas à quimioterapia, radioterapia, entre outros, também não devem ser imunizadas.