Fale Conosco

27 de janeiro de 2015

Delegacia da Infância instaura 390 procedimentos por atos infracionais praticados por menores de idade em 2014



A Delegacia da Infância e Juventude (DIJ), em Campina Grande, instaurou 390 procedimentos durante o ano de 2014 em decorrência de atos infracionais praticados por menores de idade. O balanço é resultado de operações realizadas em vários bairros da cidade, com o deslocamento de equipes policiais para locais estratégicos. Em uma das operações, foram realizadas 51 apreensões. Uma das infrações mais comuns foi a condução de carros e motocicletas por menores de idade. Os donos dos veículos foram localizados e conduzidos até a delegacia.

Operações - A operação ‘Passe Livre’ apreendeu cinco adolescentes envolvidos em assaltos a ônibus. Um dos veículos transportava estudantes universitários. A operação ‘Natal em Paz’ fez o monitoramento de menores em situações de risco no centro de Campina Grande, recolhendo alguns deles e encaminhando-os aos setores competentes.

Já a Operação ‘Infância Segura’ realizou 51 apreensões no ano passado. Em todas as operações, o trabalho é realizado com o deslocamento de equipes de policiais civis para ambientes estratégicos, após o levantamento de informações feito pelos investigadores.

Em 2013, o foco foram estabelecimentos que comercializam bebida alcoólica. Em 2014, as equipes flagraram dezenas de menores de idade conduzindo carros e motos de forma irregular. Nesses casos, os responsáveis pelos veículos foram localizados e conduzidos até a delegacia.

Aumento - De acordo com a delegada Nercília Dantas, os números de 2014 revelam um aumento de casos investigados em relação ao ano anterior. “Em 2013, a Delegacia da Infância e Juventude instaurou 365 procedimentos. Em 2014, tivemos 25 registros a mais. Isso mostra que a polícia vem combatendo os atos infracionais cometidos pelos menores de idade”, afirmou.

O delegado Iasley Almeida disse que vai potencializar as ações da delegacia em 2015. “Realizamos um trabalho investigativo proativo e eficiente, que produz uma repressão qualificada da criminalidade juvenil”, afirmou.