Fale Conosco

10 de agosto de 2011

Custo de vida sobe 0,17% em João Pessoa durante o mês de julho



Pesquisa do Instituto de Desenvolvimento Municipal e Estadual (Ideme) revelou acréscimo de 0,17% no Índice de Preços ao Consumidor (IPC) em João Pessoa, durante o mês de julho. Com esse resultado, o acumulado no ano ficou em 3,96%. Nos últimos 12 meses, o acúmulo foi de 9,64%.

O IPC, que avalia o custo de vida na Capital, é verificado mensalmente pelo Ideme. Durante todo o mês, cinco técnicos do Instituto avaliam sete grupos de produtos e serviços visitando 360 locais, onde são pesquisados 1.100 itens. Ao fim da pesquisa, os preços são tabulados e colocados à disposição da população, que pode fazer suas escolhas com mais critério.

Segundo os números divulgados na tarde desta quarta-feira (10), o grupo que apresentou maior variação positiva foi o de vestuário, que sofreu um aumento de 7,51% em razão dos reajustes de preços médios registrados nos itens roupa de mulher (16,60%) e roupa de criança (0,83%). Em segundo lugar ficou o grupo artigos de residência, com um aumento de 1,42% motivado pelos acréscimos de preços médios dos itens cama, mesa e banho (18,50%), TV e som (15,10%) e eletrodomésticos (7,50%).

O grupo saúde e cuidados pessoais apresentou reajuste de 0,60%, índice proporcionado pelos aumentos verificados nos preços dos produtos de higiene e serviços pessoais (1,93%) e serviços médicos (0,21%). Na sequência, e ainda dentro do universo de variação positiva de preços, ficou o grupo transportes e comunicações, com 0,54% de reajuste motivado pelo aumento de preços médios verificados nos itens transporte público (5,24%) e veículo próprio (0,28%). O grupo habitação também apareceu na escala positiva, mas com um acréscimo muito pequeno: 0,42%.

Na escala inversa, o grupo serviços pessoais acusou um decréscimo de 1,27%, seguido do grupo alimentação, que registrou uma queda de preço da ordem de 3,62% durante o mês de julho, quando as variações negativas mais significativas estiveram relacionadas aos itens hortaliças e verduras (13,17%), tubérculos e raízes leguminosas (8,74%), enlatados e conservas (8,19%), frutas (6,45%), farinhas, féculas e massas (2,54%), aves e ovos (1,96%) e açúcares e derivados (1,92%). Conforme os dados do Ideme, o decréscimo só não foi maior porque houve aumentos de preços médios nos seguintes itens: sal e condimentos (6,50%), cereais, leguminosos e oleaginosos (3,98%), panificados (3,65%) e pescado (3,38%).

Levando-se em conta apenas os reajustes individuais, os produtos/serviços cujos preços médios mais aumentaram em julho de 2011 foram: roupa de cama (25,93%), roupa de mesa (23,85%), meia masculina (22,39%), feijão verde (21,85%), tapete (20,39%), pimenta do reino (19,29%), blusa feminina (18,77%), aparelho de som (16,13%), ônibus interestadual (15,35%), bolacha (12,78%), calça feminina (12,59%), vestido feminino (10,99%), pó compacto (10,19%), toucinho (10,11%), calcinha infantil (9,70%), fogão a gás (9,47%), rádio (8,99%), bolo (8,78%), maisena (8,64%), alho (8,43%) e feijão mulatinho (5,06%).