Fale Conosco

21 de maio de 2009

Custo de vida do pessoense sobe 0,57% em abril



O custo de vida subiu 0,57% no mês de abril em João Pessoa e acumula um aumento de 1,88% neste ano. O Instituto de Desenvolvimento Municipal e Estadual (Ideme) divulgou nesta quinta-feira (21) que os artigos para residência – TV, som, eletrodomésticos e móveis – puxaram a alta do Índice de Preços ao Consumidor (IPC), ao registrarem um percentual médio de 4,52% no mês passado. Nos últimos 12 meses, o acumulado do IPC chega a 12,04%.

O aumento do custo de vida no grupo artigos para residência foi verificado nos aparelhos de televisão e som, ao apresentarem um acréscimo de 16,88% nos preços.  Mesas, cadeiras e estantes também contribuíram para a subida no IPC de abril. Técnicos do Ideme identificaram que os valores dos móveis aumentaram 4,15% em abril. Eletrodomésticos e equipamentos (3,97%) e utensílios e enfeites para casas (1,89%) completam a lista de artigos que tiveram elevação de preços na capital paraibana.

Conforme o levantamento do Ideme, a alimentação – grupo que mais pesa no cálculo do custo de vida – registrou as maiores elevações de preços nas hortaliças e verduras (21,89%), tubérculos e raízes (7,25%), enlatados e conservas (3,16%) e frutas (2,57%). Açucares e derivados (2,53%), farinhas e massas (1,27%), carnes frescas (0,91%) completam a lista de produtos que contribuíram para subida do custo de vida em abril.

“O resultado do custo de vida reflete a diferença de preços praticados nas feiras e supermercados de João Pessoa. Isso acontece com as carnes frescas e com outros produtos que influenciam no IPC”, explicou o gerente do Departamento de Informações para o Planejamento do Ideme, Geraldo Lopes de Oliveira.

Por outro lado, foi registrada queda de preço nos seguintes produtos: óleos e gorduras (4,42%), cereais (4,19%), aves e ovos (2,19%), leite e derivados (1,35%), carnes industrializadas (0,87%) e pescado (0,57%). “O consumidor precisa pesquisar os preços nas feiras, supermercados e lojas antes de fazer as compras para casa. Além disso, é bom anotar os preços dos produtos para saber as mudanças de um mês para outro”, recomendou Geraldo Lopes de Oliveira.

Bartolomeu Honorato, da Ascom do Ideme