Fale Conosco

11 de novembro de 2016

Criadores do Ceará e da Paraíba conhecem tecnologia caprina desenvolvida pela Emepa



Criadores de caprinos e ovinos do Ceará visitaram, nesta semana, a Estação Experimental de Pendência da Emepa-PB, no município de Soledade, no Cariri paraibano. O evento sobre demonstrações práticas de tecnologias de produção de caprinos leiteiros no Semiárido ainda contou a participação de produtores rurais dos municípios de Zabelê, Monteiro, Sumé, Serra Branca, Gurjão, Taperoá, Juazeirinho, Soledade, Santo André, Cabaceiras, Picuí e Nova Floresta.

A realização do encontro foi uma promoção da Emepa, empresa estadual de pesquisa integrante da Gestão Unificada Emepa/Interpa/Emater, vinculada à Sedap. Tratou-se de mais uma ação do Projeto de Qualificação do Arranjo Produtivo local da Caprinocultura Leiteira no Semiárido Paraibano, a partir de projeto financiado pela Sudene.

Na ocasião, a pesquisadora Melania Loureiro falou sobre Micoplasmose caprina, doença que traz preocupação aos criadores. A estudiosa da caprinocultura discutiu o tratamento para a doença e aproveitou a ocasião para repassar as informações que, colocadas em prática, ajudarão a melhorar o desempenho dos criatórios.

Também tomaram conhecimento sobre as tecnologias de convivência com a estiagem desenvolvida pela Emepa, como os blocos multinutricionais que vêm sendo confeccionados pelos próprios criadores.

Na ocasião, o diretor técnico da Emepa, Manuel Duré, falou os trabalhos que o Governo do Estado, por meio da Gestão Unificada, que visam a melhoria da caprinocultura, a partir das pesquisas desenvolvidas pelo corpo de pesquisadores.

O chefe da Estação de Pendência, Leonardo Medeiros, explicou para os visitantes como são desenvolvidos os trabalhos e a maneira de levar os resultados das pesquisas até os criadores.

Para o Eden Medeiros, gestor nacional da ação do PAC Embrapa – OEPAs, o evento desta magnitude engrandece o sistema da pesquisa agropecuária nacional, e deixa a todos bastante orgulhosos. “A pesquisa agropecuária articulada com a transferência de tecnologia será a grande saída para a sustentabilidade, principalmente para a região Nordeste”.