Fale Conosco

1 de agosto de 2012

Cresce 169% o número de mamografias realizadas na Paraíba



A Paraíba registrou um aumento de 169% no número de mamografias realizadas no primeiro quadrimestre desse ano (de janeiro a abril), em relação ao mesmo período do ano passado. Foram 17.457 exames em 2012 contra 6.486 em 2011. Na população alvo – mulheres com idade na faixa etária de 50 a 69 anos – esse número cresceu 177%, passando de 3.007 mamografias em 2011 para 8.335 em igual período de 2012.

Além dos 27 mamógrafos para atender a população, a Paraíba possui uma Unidade de Assistência de Alta Complexidade em Oncologia (Unacom) com serviços de oncologia pediátrica e de radioterapia que funciona no Hospital Napoleão Laureano, em João Pessoa.  Dos 27 mamógrafos, 14 são privados credenciados ao SUS, 11 são públicos e dois filantrópicos.

Para alertar e realizar ações de diagnóstico e prevenção ao câncer de mama, o Governo do Estado, por meio da Secretaria da Saúde, tem feito parcerias com várias entidades e associações.   “O Estado segue trabalhando as ações de prevenção por meio da divulgação da importância do autoexame e disponibilizando os exames e tratamentos quando necessário para as usuárias dos serviços de saúde”, disse a coordenadora da Área Técnica da Saúde da Mulher da Secretaria de Estado da Saúde (SES), Fátima Moraes.

A Paraíba possui quatro serviços credenciados para o atendimento às neoplasias: Centro de Alta Complexidade da FAP- Fundação Assistência da Paraíba, em Campina Grande, o Hospital Napoleão Laureano, em João Pessoa; e como referência para tratamento das leucemias o Hospital São Vicente de Paula, em João Pessoa, e o Hospital Universitário Alcides Carneiro, em Campina Grande.

O exame – A mamografia é um exame que deve ser realizado uma vez por ano por toda mulher acima de 40 anos de idade, segundo o Colégio Brasileiro de Radiologia. Dependendo de seus fatores de risco (por exemplo, se fuma ou se a família tem antecedentes de câncer no seio), o médico pode recomendar uma programação diferente. É um exame de alta sensibilidade que pode mostrar o câncer muito antes de ser palpável e não pode ser substituído pelo ultrassom (ultrassonografia) de mama ou pela ressonância magnética de mama. A mamografia é o exame mais preciso para rastreamento e diagnóstico do câncer de mama em 95% dos casos.

Estatísticas – Este ano, o Ministério da Saúde estima o surgimento de mais de 52 mil novos casos da doença. Buscando ampliar o acesso a exames e tratamentos preventivos, o Governo Federal tem investido na ampliação da assistência e prevenção do câncer de mama, que é uma prioridade do SUS.

O câncer de mama é o segundo tipo mais frequente no mundo e o mais comum entre as mulheres, respondendo por 22% dos casos novos a cada ano. Se diagnosticado e tratado oportunamente, o prognóstico é relativamente bom.

No Brasil, as taxas de mortalidade por câncer de mama continuam elevadas, muito provavelmente porque a doença ainda é diagnosticada em estágio avançado. Neste ano, o Ministério da Saúde já custeou mais de 100 mil procedimentos para quimioterapia do câncer de mama.