João Pessoa
Feed de Notícias

Corpo de Bombeiros monta esquema de segurança para o final do ano

quarta-feira, 23 de dezembro de 2009 - 12:40 - Fotos: 

Cerca de 300 homens do Corpo de Bombeiros irão garantir a segurança de turistas e paraibanos neste final de ano na área metropolitana de João Pessoa. Eles irão intensificar os trabalhos principalmente nas praias do litoral norte a sul. Os militares ficarão a postos em trechos de grande movimentação de banhistas para dar orientações e prevenir acidentes.
 
As equipes farão rondas por terra e por mar e contarão com o apoio de ambulâncias, lanchas, barcos, botes infláveis e equipamentos de salvamento. O efetivo também será distribuído nas atividades de atendimento pré – hospitalar, resgate, salvamento e combate a incêndios.

De acordo com o comandante da corporação, coronel Pedro Luis do Nascimento, haverá uma equipe do Corpo de Bombeiros em cada praia do litoral paraibano. Ele explica que além de evitar os afogamentos, o esquema de segurança tem a missão de prevenir casos de crianças perdidas. “Nesta época do ano, quando as praias ficam lotadas, é muito comum a ocorrência de crianças perdidas. Isso é um problema sério que causa desgaste tanto para os pais, quanto para os filhos”, observa.

Pulseiras de identificação em crianças

Para evitar esses transtornos, os bombeiros irão distribuir, a partir de janeiro, pulseiras de identificação entre as crianças. Nelas, serão escritos os nomes dos pais e dos garotos, além do telefone para contato da família. “Se ocorrer de algum banhista perder o filho, ele terá que se dirigir a uma base do Corpo de Bombeiros que, imediatamente, iremos iniciar a procura, com a ajuda das pulseiras”, afirma o oficial
 
Pontos de risco para banhistas

Trechos das praias da Barra de Gramame e de Jacumã estão entre os pontos considerados de alto perigo para banhistas. O coronel explica que nesses locais há o encontro das águas de rio e do mar, o que provoca fortes correntezas. Esses fatores tornam o mar mais agitado e aumentam o risco de afogamentos. “Nesses trechos, o banhista mergulha e não consegue mais voltar para a praia, devido à força da correnteza. Se não ocorrer a intervenção de um salva-vida , ele pode ir a óbito”, adverte o comandante.
 
Por causa disso, essas praias também receberam atenção especial neste final de ano. Equipes de bombeiros já estarão a postos nesses lugares, desde o primeiro dia deste mês. A vigilância ocorre durante todos os dias da semana, incluindo feriados, sábado e domingo.

Outra tática para diminuir a incidência de afogamento é um curso de salva-vidas que será oferecido gratuitamente a funcionários das prefeituras de cidades banhadas por praias. Segundo Pedro Luis, qualquer servidor poderá participar das aulas, desde que ele já saiba nadar. Devido à pouca duração do curso, os bombeiros não terão tempo para ensinar os participantes a nadar. Serão repassadas apenas as noções básicas de salvamento e primeiros socorros.  Representantes das Prefeituras do Conde, Baia da Traição, João Pessoa, Pitimbú e Lucena já foram convidados a participar da atividade.

Festas de reveillon

Outra preocupação do Corpo de Bombeiros vem do ar. Os fogos de artificios, tão comuns nessa época do ano, podem representar um risco para a segurança das pessoas, se forem mal manuseados. Por isso, guarnições de combate a incêndios estarão a postos em locais onde ocorrerão festas de reveillon Em João Pessoa, elas estarão presentes nas comemorações que vão acontecer na Orla.
 
Trabalhos idênticos serão realizados nas cidades de Cajazeiras, Campina Grande, Guarabira, Patos e na Região de Coremas, que também serão palcos de grandes festas durante a virada do ano.

Recomendações para evitar afogamentos

Além de montar um esquema de segurança, o Corpo de Bombeiros recomenda que a população deve tomar alguns cuidados para aproveitar com segurança as festas de final de ano. A primeira recomendação é com relação ao uso das bebidas alcoólicas. O coronel Pedro Luis alerta que a maioria dos casos de afogamento está relacionada com a embriaguez. “O álcool provoca cãimbras, o que impede o indivíduo de nadar e sair da água”,destaca.

Outra orientação vai direto para as pessoas que sabem nadar. Estatísticas revelam que metade da incidência de afogamentos é entre banhistas que sabem nadar. Eles costumam ser surpreendidos por desníveis no fundo mar e correntezas fortes. A maior culpada disso é a desinformação. “A pessoa que sabe nadar se arrisca mais, se distancia mais da praia. Por isso, está mais sujeita ao afogamento. Nossa orientação é que, antes de mergulhar, se procure um salva-vidas para procurar informações sobre a área.

DICAS

 Não nade sozinho. Se não souber nadar, use colete salva-vidas;
 Não ingira bebida alcoólica antes de entrar na água. O álcool inibe os reflexos e causa uma falsa sensação de superioridade;
 Não tome banho nem pratique atividades esportivas após lanches e refeições. Aguarde no mínimo duas horas;
 Se você não conhece o local, não salte de locais elevados para dentro da água. Pode existir pedras ou galhos de ponta e causar um acidente;
 Evite como fingir que está se afogando. Se ocorrer um afogamento verdadeiro, as pessoas podem não dar importância, pensando que se trata de outra brincadeira;
 Não tente salvar pessoas em situação de afogamento sem estar devidamente habilitado, porque você se tornar mais uma vítima. Lançe objetos flutuantes, como bóias, isopores, bolas ou então lance um pedaço de corda ou um galho para salvar a pessoa;
 Não superestime sua capacidade como nadador, em torno de 50% das mortes por afogamento são de pessoas que sabem nadar;
 Evite entrada brusca nas águas após longa exposição ao sol, o risco de choque térmico e desmaio são grandes;
 Nunca deixe crianças sozinhas sem a presença de um adulto responsável;
 Crianças que não soubem nadar devem sempre usar bóias enquanto estiverem na água;
 Quando chover saia da água, pois há o risco de raios.

Nathielle Ferreira, da Secom-PB