Fale Conosco

8 de junho de 2012

Cooperar garante a construção de 3 mil cisternas em todo o Estado



Pedreiros, serventes e agricultores de 19 comunidades de São José dos Ramos, Itabaiana, Gurinhém e Salgado de São Félix serão capacitados, na próxima semana, para construção de cisternas, do tipo tela em alambrado. Os reservatórios são mais resistentes do que os de placas, considerados tradicionais.  A capacitação será coordenada pelo Projeto Cooperar, que já garantiu a construção de mais de três mil cisternas em todo Estado.

A tecnologia aplicada para a construção das cisternas foi desenvolvida pela Articulação do Semi-árido (Asa), de Petrolina, em parceria com a Embrapa. A cisterna de tela de alambrado é menos vulnerável à contaminação e mais simples de serem construídas. “Elas também são mais seguras. No Haiti, onde existem os dois tipos de cisterna, a de tela de alambrado ficou intacta quando houve o último terremoto. As de placa foram destruídas”, compara o gestor do Projeto Cooperar, Roberto Vital.

Segundo ele, o consultor que coordenou a introdução das cisternas de alambrado no Haiti é o mesmo que está disponibilizando ao Governo da Paraiba, por meio do Cooperar, este tipo de tecnologia. Trata-se do paraibano Aderaldo Souza. “Para cada cisterna, com capacidade para 16 mil litros de água, o Cooperar libera R$2,6 mil, uma melhoria para a segurança hídrica das famílias rurais, neste momento de emergência por causa da estiagem”, completa o gestor.

No assentamento Nova Conquista, em São José dos Ramos, 78 famílias serão beneficiadas com a construção das cisternas. Uma delas é a de Robson Moreira de Oliveira, que mora com 13 pessoas. “Nós só temos quatro cisternas de placas para toda comunidade e a construção dessas de alambrado gera boas expectativas. Tem gente que pensa até em agricultura de subsistência nas áreas próximas às novas cisternas”, disse.

Até agora, o Projeto Cooperar já liberou recursos para a construção de mais de três mil cisternas do tipo tela de alambrado, beneficiando cerca de 100 comunidades. Elas estão comprando o material, por licitação pública monitorada pelo Cooperar, e agora vão participar de treinamento para a execução das obras. São aproximadamente R$8 milhões garantidos para a construção das cisternas em todo o Estado.