Fale Conosco

9 de junho de 2009

Construção de Adutora vai garantir geração de emprego no Cariri



As obras de construção da segunda etapa da adutora do Congo, além de garantir água potável para 24 mil habitantes de sete municípios do Cariri Ocidental, vão proporcionar a geração de 300 empregos diretos na região pelo menos por um período de um ano, prazo previsto para conclusão dos serviços. As obras totalizam investimentos da ordem de R$ 23 milhões.

A ordem de serviço para construção dessa segunda etapa do sistema adutor do Congo foi assinada pelo governador José Maranhão na noite de segunda-feira (8), no município de Ouro Velho, e as obras serão iniciadas imediatamente. A previsão para conclusão é de 18 meses, porém o secretário da Infraestrutura, Francisco Sarmento, disse que, diante da necessidade da população a ser beneficiada, o Governo do Estado está envidando esforços para compactação desse período, reduzindo para daqui a um ano.

O prefeito de Ouro Velho, Inácio Júnior, afirmou que a obra será a redenção do Cariri paraibano e agradeceu ao governador José Maranhão por levar uma ação que vai melhorar a qualidade de vida da população. Ele disse que quando se trata de beneficiar a população não deve existir cor partidária, por isso apoiava qualquer ação do Governo do Estado que fosse para o bem dos moradores de Ouro Velho.

O prefeito de Prata, Marcel Nunes, disse que a região do Cariri é tradicionalmente uma região de períodos de seca e, como não se pode mudar o fenômeno, a melhor forma é buscar alternativas de convivência. “Essa é uma obra que será a redenção hídrica de nossa população”, ressaltou.

O sistema adutor do Congo vai garantir água tratada para os municípios de Gurjão, Parari, Livramento, São José dos Cordeiros, Prata, Ouro Velho e Amparo. Esta segunda etapa terá 140 quilômetros de extensão.

A adutora do Congo é uma obra que teve sua primeira etapa construída no segundo governo Maranhão, mas ficou paralisada durante seis anos. Os recursos são oriundos do Banco Mundial (BIRD) e do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), com contrapartida do Governo do Estado.

Além do sistema adutor do Congo, o Governo do Estado executa simultaneamente as obras de mais quatro adutoras: Acauã, Capivara, São José e a Transposição Litorânea.

Cleane Costa, com fotos de Mano de Carvalho, da Secom