Fale Conosco

27 de outubro de 2015

Congressos de HIV/Aids e Hepatites Virais terão oficinas para jornalistas



Dentro da programação do 10º Congresso de HIV/Aids e do 3º Congresso de Hepatites Virais, que vão acontecer de 17 a 20 de novembro, no Centro de Convenções, em João Pessoa, está a “Oficina de Atualização em HIV-Aids e Hepatites Virais para jornalistas”, seguida de entrevista coletiva, no dia 16, às 14h30, no auditório, do Centro Formador de Recursos Humanos (Cefor), na Capital. Nessa segunda-feira (26), foram abertas as inscrições que seguem até o dia 11 de novembro.

A oficina terá 100 vagas, sendo 50 para jornalistas de todas as mídias da região, 30 para assessores das Secretarias e outros órgãos públicos envolvidos no apoio ao evento e 20 para estudantes interessados em participar da cobertura dos Congressos (pré-inscritos em seleção divulgada em faculdades de comunicação da Capital). O objetivo da oficina é contribuir na preparação dos profissionais e estudantes que irão cobrir o evento.

As inscrições serão feitas pelo email informacoes@aids.gov.br.  No assunto do email, deve ser digitado Oficina HIV/Aids e Hepatites, e no corpo do texto: nome completo, identidade, veículo onde trabalha e função.

A oficina será ministrada pelo diretor do Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde, Fábio Mesquita, presidente dos Congressos, e pelo médico infectologista Evaldo Stanislau, coordenador do Comitê Científico do 3º Congresso de Hepatites Virais, e mediada pelo jornalista Marcelo Oliveira, coordenador da Assessoria de Comunicação do Departamento.

Após a oficina sobre Aids e Hepatites, Mesquita e Stanislau apresentarão temas importantes dos dois congressos durante entrevista coletiva, que terá a participação da coordenadora estadual de DST/Aids e Hepatites Virais, da Secretaria de Estado da Saúde, Ses, Ivoneide Lucena.

“No ano em que celebramos 30 anos da resposta brasileira à Aids, teremos um fórum privilegiado para discutir informações estratégicas, prevenção, diagnóstico, tratamento, logística, monitoramento e avaliação, articulação entre os diversos atores, cooperações inter federativas, direitos humanos, comunicação e HIV/Aids e o papel do Brasil na luta contra a epidemia global, dentre outros temas relevantes. A troca de informações entre diferentes atores e localidades pode enriquecer em muito a experiência de cada um de nós e, ainda, estender-se para além das fronteiras do país, com a participação de alguns dos ícones da luta contra a epidemia mundial”, afirma Fábio Mesquita.

“A oficina vem na hora certa, uma vez que a epidemia de Aids é mutante e se faz necessário atualizações, principalmente, na categoria de jornalistas, radialistas e profissionais das mídias, por serem interlocutores junto à população. Daí a importância dessas categorias participarem. Juntos, somos mais fortes para atuar nessa luta árdua, pois na Paraíba, a cada dia, no mínimo, uma pessoa se contamina com o vírus do HIV”, revelou Ivoneide Lucena.

Programação da oficina:

14h30 – Cenário do HIV/Aids no Brasil e no Mundo – Fábio Mesquita

15h00 – Perguntas da plateia

15h10 – Cenário das Hepatites Virais no Brasil e no Mundo – Evaldo Stanislau

15h40 – Perguntas da plateia

15h50 – Destaques do X Congresso de HIV-Aids – Fábio Mesquita

16h10 – Destaques do III Congresso de Hepatites Virais – Evaldo Stanislau

16h30 – Entrevista coletiva – Mesquita, Stanislau e Ivoneide Lucena