Fale Conosco

10 de setembro de 2009

Conferência macrorregional aprova diretrizes de saúde ambiental da PB



A criação de consórcios municipais para desenvolver ações de reflorestamento, produzir viveiros, aproveitar os resíduos sólidos e garantir saneamento básico para toda a população foi uma das quatro diretrizes aprovadas nesta quinta-feira (10), em João Pessoa, durante o encerramento da 3ª Conferência Macrorregional de Saúde Ambiental, realizada pela Secretaria de Estado da Saúde (SES) em parceria com os ministérios das Cidades, Saúde e Meio Ambiente.

As outras diretrizes selecionadas pela plenária – de um total de dez colocadas em votação – foram a ordenação do crescimento das cidades e do agronegócio; a capacitação de profissionais para identificar e prevenir os riscos e agravos da saúde do trabalhador e da comunidade e a estruturação de uma política de gerenciamento de resíduos sólidos. A idéia é construir usinas de reciclagem e aterros sanitários, além de incluir a disciplina de educação ambiental na grade curricular das escolas de ensinos fundamental, médio e superior, tanto públicas quanto privadas.

Delegados – Essa foi a terceira conferência realizada pela SES – as outras aconteceram em Sousa e Patos – para escolher as diretrizes que serão discutidas durante a Conferência Estadual de Saúde, nos dias 22 e 23 de outubro, em João Pessoa. Até agora, foram selecionadas 12 diretrizes, de um total de 20 que serão colocadas em votação durante a conferência estadual, para que a plenária possa escolher seis, que serão apresentadas durante a 1ª Conferência Nacional de Saúde Ambiental, de 15 a 18 de dezembro, em Brasília (DF).

Até agora, foram eleitos 90 delegados, de um total de 329 que participarão da conferência estadual. Durante o evento, serão selecionados  apenas 29 delegados para representar a Paraíba no evento nacional. “Estamos muito satisfeitos, porque conseguimos reunir representantes de entidades governamentais e não-governamentais para discutir as questões da saúde e do meio ambiente. A atuação da saúde ambiental é baseada nas informações geradas por estas duas áreas e, percebemos que alguns municípios ainda não fazem essa relação. Por isso, na conferência estadual, vamos enfocar bem esse assunto”, disse Cleane Toscano, gerente-executiva da Vigilância em Saúde da SES.

Cerca de 300 pessoas participaram do evento, entre representantes do Governo do Estado, de 56 municípios da 1ª Macrorregional de Saúde, dos movimentos sociais, de trabalhadores, do setor empresarial, universidades e organizações não-governamentais.

Conferência intermunicipal – As discussões sobre a saúde ambiental prosseguem nesta sesta sexta-feira (11) e sábado (12), na Faculdade de Enfermagem Nova Esperança (Facene), na Capital, durante a conferência intermunicipal, organizada pelos oito municípios que compõem o Colegiado Regional do Atlântico (João Pessoa, Bayeux, Caaporã, Pitimbu, Lucena, Conde, Cabedelo e Alhandra).

Segunda (14) e terça-feira (15) da próxima semana acontece, em Lagoa Seca, a última conferência macrorregional, que reunirá representantes dos 70 municípios que compõem a 2ª macrorregional de saúde, que têm como cidades-pólos Campina Grande, Cuité e Monteiro.

Da Assessoria de Imprensa da SES-PB