Fale Conosco

10 de outubro de 2013

Condutor sem habilitação representa maioria das infrações registradas pelo BPTran



O relatório de gestão do mês de setembro do Batalhão de Policiamento de Trânsito (BPTran), divulgado nesta quarta-feira (9), aponta que a falta de habilitação para dirigir é a maior causa das multas aplicadas durante as blitzen realizadas diariamente pelo BPTran em todo Estado. Neste tipo de infração foram autuados 438 motoristas na Paraíba, sendo 182 só na capital.

O relatório traz ainda o número de motoristas flagrados dirigindo sob efeito do álcool. Foram 56 condutores que tiveram a carteira de habilitação apreendida e foram levados até uma Delegacia.

Além das blitzen para promover uma maior segurança no trânsito, o BPTran atendeu ocorrências de 613 colisões de carros e motos, bem como de 16 atropelamentos nos perímetros urbanos das 223 cidades paraibanas.

O comandante do BPTran, tenente coronel Almeida Martins, aponta a educação no trânsito como fator principal para mudar a mentalidade das pessoas e ter uma paz maior no trânsito. Ele tem adotado a proximidade com os policiais das cinco companhias que fazem parte do Batalhão de Trânsito para escutar os comandantes e policiais para buscar desenvolver um trabalho de mais qualidade para a população.

Desde que assumi o BPTran tenho ido a cada companhia, cobrado o fortalecimento de projetos sociais com a comunidade e educação no trânsito, além de buscar melhorias nas condições de trabalho de cada cidade para que as pessoas tenham segurança no trânsito, que é um fator importante para as pessoas poderem exercer seu direito constitucional de ir e vir”, comentou.

O tenente coronel destacou ainda o fortalecimento da Polícia Rodoviária Estadual (CPRv) como uma das apostas para promover uma segurança maior nas rodovias estaduais. “Estamos em um novo tempo na Paraíba, com a construção de mais de 2.000 km de novas estradas por parte do Governo do Estado e esses locais precisam ser policiados, por isso temos estruturado ainda mais a CPRv dentro dessa lógica”, explicou.