João Pessoa
Feed de Notícias

Concerto natalino encerra temporada 2015 da Orquestra Sinfônica Jovem da Paraíba

segunda-feira, 7 de dezembro de 2015 - 10:44 - Fotos:  Roberto Guedes/Secom-PB

A Orquestra Sinfônica Jovem da Paraíba encerra a temporada 2015 em clima natalino. O oitavo concerto oficial do ano acontece nesta quinta-feira (10), às 20h30, na Sala de Concertos Maestro José Siqueira, no Espaço Cultural, em João Pessoa. Na primeira parte, o público poderá apreciar música descritiva e um concerto para trompete com solo do jovem Emanuel Barros. Músicas tradicionais do Natal, oratório e coro de ópera completam o repertório. A regência é do maestro Luiz Carlos Durier e a apresentação conta com participação do Coro Sinfônico da Paraíba e do coral masculino Filhos de Asafe. A entrada gratuita.

“Bells Across the Meadows” do compositor inglês Albert Ketèlbey foi escolhida para abrir o concerto. A obra foi concebida em Gozo, uma das Ilhas de Malta, onde ele ouviu os sinos da Basílica de Ta Pinu. A impressão e emoção resultaram nesta linda composição, um hino à alegria. Dois temas simples e saudosistas são executados com badaladas de sinos proporcionando aos ouvintes grandes emoções, e consequentemente, a contemplar a simplicidade. As composições de Ketèlbey são de fácil assimilação. Seus poemas sinfônicos o tornaram conhecido mundialmente.

O “Concerto para Trompete e orquestra” de Oskar Bohme é um presente para o solista, orquestra e os ouvintes. A escrita no estilo romântico e a orquestração de alto nível fazem deste concerto um dos mais belos já concebidos. Os três movimentos interligados dão a impressão de uma grande fantasia. Bohme está em redescoberta, pois sofreu restrições artísticas quando morou na antiga União Soviética. Suas obras merecem apreciação pela beleza e bom gosto estético.

Leroy Anderson compôs “Um Festival de Natal” em 1950 em forma de uma abertura de concerto. Anderson orquestrou com maestria estas lindas e populares canções natalinas, em um arranjo primoroso e emocionante. Neste trabalho ouviremos em sequência: “Alegria do Mundo”, “Pinheirinho”, “Os Anjos Mensageiros Cantam”, “Noite Feliz”, “Jingle Bells” e “Adeste Fidiles”. A superposição de temas e o colorido orquestral têm um final apoteótico. O efeito musical é memorável.

O Oratório “O Messias” de G. F. Haendel foi um marco na história da música. O Aleluia é uma parte importante desta obra, que tem 51 números entre árias e coros. Texto litúrgico e música se fundem em uma joia contrapontística perfeita, promovendo um clímax do início ao fim. A exaltação das graças divinas é aqui exposta de forma brilhante.

“Gloria ao Egito e a Isis. Que nossa terra sagrada protege”. Assim começa o texto desta empolgante Marcha Triunfal.  Giuseppe Verdi também vai estar presente no repertório com os mais belos coros encenados através de suas óperas. Este é, sem dúvida, um momento brilhante e grandioso que leva os ouvintes ao êxtase. As vozes em sintonia com a orquestra reservam grandes emoções, cantando as glórias do Egito e a guerra vencida contra os etíopes.

“Chegamos ao fim de uma bela temporada, de repertório rico e criativo, com estilos e gêneros bastante diversos. Aos jovens da Jovem um agradecimento especial e um caloroso ‘Bravo!’ por todas as conquistas. O trabalho com disciplina e comprometimento com a música trouxe excelentes resultados e, consequentemente, o engrandecimento artístico”, diz o maestro Luiz Carlos Durier.

Emanoel Barros (trompetista) – Emanoel Barros é natural de Condado-PE. Iniciou seus estudos com seu pai Fernando Lima, por volta dos 5 anos de idade. Mais tarde ingressou na Filarmônica 28 de Junho, onde teve aulas com os mestres Sérgio André, Carlos Alberto, Paulo Santos.  Foi aluno de trompete do Professor Paulo Lima no Centro Profissionalizante de Criatividade Musical do Recife até ingressar no curso de Licenciatura em Música da UFPB, tendo como orientador o Prof. Dr. Ayrton Benck em 2013.

Como trompetista, participou do Projeto Encontros Pernambucanos com Geraldo Azevedo e Isaar, na cidade do Rio de Janeiro; Balaio Nordeste Rumo à França, com Jorge de Altinho, Genival Lacerda, Maratman Costa, Cezzinha, Santana, Chico César, Waldonys entre outros.

Atualmente é trompetista da Orquestra Sinfônica Jovem da Paraíba e Orquestra Sinfônica Municipal de João Pessoa, Bigband Rubacão Jazz, e do Sexteto Tabajara de Metais e Percussão; além de já ter participado e/ou sido convidado a tocar na OSPB, OSUFPB, OSUFPB Pop, Metalúrgica Filipéia, Orquestra Toque de Vida e entre outros grupos.

É arranjador residente da Banda Sinfônica José Siqueira, da qual também já foi convidado a reger. Foi o arranjador do CD de Frevos “No Passo Rasgado” com Orquestra de Frevos 28 de Junho. Teve ou tem seus arranjos executados pela Bigband Rubacão Jazz, Trompetearte (UFRN), Sexteto Potiguar, OSUFPB Jovem, OSJPB, OSPB, entre outros.

Compositor de significante gêneros da música popular brasileira, sobretudo ligado ao resgate das tradicionais Bandas de música, como marchas de procissão, dobrados, choros, forrós, frevo etc. Teve seu frevo “É de Torar o Chinelo” classificado na final do II Prêmio de Composição para Banda Moacir Santos, promovido pelo Conservatório Pernambucano de Música.

No I Festival Douradense de Música, promovido pela Universidade Federal da Grande Dourados (Dourados-MS) em outubro de 2014, foi convidado a ministrar aulas de trompete e de prática do frevo para bigbands. Foi professor de trompete no II Festival de Música de Santa Rita-PB, promovido pelo PRIMA. Já foi professor de trompete da Escola de Música Toque de Vida. Emanoel é ainda professor de trompete na Filarmônica 28 de Junho e Escola de Música Roberto Ângelo.

Luiz Carlos Durier (regente) – Natural de João Pessoa – Paraíba, Luiz Carlos Durier é o regente titular da OSPB Jovem há 17 anos. Seu trabalho direcionado para jovens músicos em formação tem reconhecimento em todo o Brasil. As suas interpretações  produzem sucesso de público e crítica. Sob sua batuta já se tornou tradição a Jovem apresentar estreias mundiais com excelente qualidade técnica e artística. Em setembro de 2013, foi nomeado diretor artístico e regente titular da OSPB.

Na UFPB concluiu o ensino superior de música nos cursos de Licenciatura e Bacharelado. Desde que chegou a Escola de Música Anthenor Navarro – EMAN, em 1991, lidera atividades de educação musical ensinando: Musicalização, Viola e Música de Câmara e Regência. Participou das XIX e XX Semana da Música da UFRN como professor da classe de regência. Na UEPB está realizando o Curso de Especiação Em Fundamentos da Educação – Práticas Pedagógicas Interdisciplinares.

Como regente convidado conduziu a Orquestra Sinfônica do Rio Grande do Norte, Orquestra Sinfônica do Estado de Sergipe, Orquestra Sinfônica da UFRN e Orquestra Criança Cidadã do Recife. Regeu a Orquestra de Cordas da 29ª e 30ª Oficina de Música de Curitiba. Na sua formação como regente foi aluno de Wolfgang Groth, Nelson Nuremberg e Guilhermo Scarabino. Desde 2005 estuda com o maestro Osvaldo Ferreira. Participou de Master Class com os maestros Kurt Masur e, recentemente, com Dante Anzolini. Ainda teve como mestres o maestro José Siqueira, José Alberto Kaplan, Iara Bernette, Violeta de Gainza, Guilhermo Campos e Horácio Schafer.

Conduziu a OSPB na gravação ao vivo do CD da cantora Marines e sua Gente, do DVD Sivuca e os Músicos Paraibanos. Tem acompanhado com frequência artistas populares com a OSPB e OSPB Jovem em grandes concertos populares, tais como: Ângela Ro Ro, Arnaldo Antunes, Tico Santa Cruz e Renato Rocha (Detonautas), Flávio José, Genival Lacerda, Alcione, Toninho Ferragutti, Geraldo Azevedo, Dominguinhos e Zélia Duncan, sempre com sucesso de público e crítica. No ano de 2012 recebeu a Comenda de Honra ao Mérito, pelo desempenho frente à OSPB.

 

Serviço:

Orquestra Sinfônica Jovem da Paraíba – 8º Concerto Oficial – Temporada 2015

Solista: Emanoel Barros (trompete)

Regência: maestro Luiz Carlos Durier (titular da OSJPB)

Data: quinta-feira (10)

Horário: 20h30

Local: Sala de Concertos Maestro José Siqueira (Espaço Cultural José Lins do Rego)

Entrada: gratuita