Fale Conosco

15 de fevereiro de 2012

Complexo Psiquiátrico Juliano Moreira promove ‘Sarau Poético’



Nesta quinta-feira (16), às 19h, acontece mais uma versão do Sarau “Poesia no Hospício”, no Complexo Psiquiátrico Juliano Moreira, em João Pessoa. O evento, que acontece todas as quintas-feiras, reúne usuários, trabalhadores de saúde, amigos, familiares, conhecidos e quaisquer pessoas que desejem recitar poesias, cantar, dançar, tocar algum instrumento e vivenciar a liberdade de expressão.

“A arte é uma das nossas maiores aliadas. Acreditamos nela como produção e ampliação da vida. É uma possibilidade de viver com invenção e maior liberdade”, disse a diretora do complexo, Flávia Fernando. Ela explicou que o sarau teve início em novembro de 2011, partindo de uma conversa com o poeta Lau Siqueira, atual secretário municipal de Desenvolvimento Social de João Pessoa – que sempre participa do evento. “O sarau tem o motivo de quebrar o preconceito contra a loucura. É um momento em que os pacientes participam ativamente, ou seja, não é feito para eles, mas junto com eles. E o resultado tem sido surpreendente”, declarou Lau.

Para o psicólogo do complexo e um dos articuladores do sarau, Rodrigo Vaz, a ideia não é trazer a poesia para o hospício, e sim, levar o hospício para a poesia, fazendo com que se construa uma possibilidade em que o sujeito possa exercer sua singularidade e encontrar um lugar para expressar seu sofrimento psíquico. “Assim, ele pode encontrar alívio na alegria e no riso, experimentando outros jeitos de estar no mundo, respeitando o potencial de cada um”, disse.

Pacientes – André Rosendo dos Santos, de 21 anos, é um dos internos do Espaço Inocêncio Poggi, com 16 leitos para pessoas em sofrimento psíquico pelo uso abusivo das drogas. No momento da reportagem, ele estava tentando decorar a letra de um rap famoso (“Eu só quero é ser feliz”), para apresentar nesta quinta. “Eu gosto muito do sarau porque é um momento de expressar a dor”, desabafou. Cleone Teles, de 24 anos, interna no Juliano Moreira há três meses, não perde um dia de sarau. “O sarau é um momento legal, é quando a pessoa pode mostrar o seu lado bom”, disse.

Luta antimanicomial – Em um ano à frente da direção geral, a psiquiatra Flávia Fernando Lima Silva implantou várias ações no Complexo Psiquiátrico Juliano Moreira. A gestão participou ativamente da Semana da Luta Antimanicomial, em maio de 2011, em parceria com a Universidade Federal da Paraíba (UFPB), sob a coordenação de Saúde Mental do Estado e a Funjope. Na ocasião, a cidade foi “invadida” por intervenções artísticas e rodas de discussões sobre saúde mental, direitos humanos e temas afins.

Durante a Semana da Luta Antimanicomial, o complexo recebeu oficinas de teatro, música e artesanato. Uma tenda de circo ficou armada durante 15 dias para sediar uma parte das atividades. Participaram do evento o psiquiatra e professor da Fiocruz, Paulo Amarante, e o ator e dramaturgo paraibano Luis Carlos Vasconcelos. Foram promovidas oficinas de música com o cantor Babilak Bah, resultando em um show no Centro Histórico, com usuários do complexo, e também houve a apresentação de Tom Zé, no Espaço Cultural.

Além disso, a gestão iniciou o Fórum da Infância, Juventude e Vulnerabilidade, que acontece mensalmente, e promoveu reuniões clínicas e espaços de formação dos trabalhadores do complexo, em parceria com a UFPB, Conselhos Regionais de Psicologia e de Enfermagem e Escolas de Psicanálise.

Apesar das melhorias ocorridas, Flávia reconhece a necessidade de seguir avançando na desconstrução de processos históricos de aprisionamento das pessoas. “Semeamos possibilidades de diálogo e respeito, considerando as potências de cada um porque acreditamos que a reforma psiquiátrica se faz no cotidiano”, disse a psiquiatra. Ela deixa o cargo oficialmente nesta sexta-feira (17), porque se mudará para outro Estado.