Fale Conosco

26 de junho de 2013

Comissão Estadual da Verdade realiza primeira audiência pública nesta sexta-feira



A Comissão Estadual da Verdade e da Preservação da Memória realiza nesta sexta-feira (28) Audiência Pública com depoimento da ex-presidente do Diretório Acadêmico de Serviço Social da Universidade Federal da Paraíba, hoje deputada federal Jô Moraes, pelo PCdoB do Estado de Minas Gerais. A audiência está marcada para as 16h, no auditório da OAB-Paraíba, Centro de João Pessoa.

O presidente da Comissão Estadual da Verdade e da Preservação da Memória, Paulo Giovani Nunes, explica que a deputada Jô Moraes vai fazer um relato sobre sua militância política na época em que era estudante da UFPB, quando foi vítima da repressão militar. Uma representante da Comissão Nacional da Verdade participará da audiência pública na OAB-Paraíba.

Waldir Porfírio, um dos sete integrantes da Comissão da Verdade, destaca que outras audiências públicas acontecerão no Estado e algumas já estão agendadas para serem realizadas em João Pessoa e Campina Grande. “deputada federal Jô Moraes precisou mudar de nome para viver na clandestinidade no período da ditadura militar. Hoje ela é presidente da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) sobre a violência contra a mulher e uma figura de renome internacional muito conhecida no mundo político”, destaca.

No livro “Uma história para Érica: fragmentos da vida sob a ditadura militar, Jô Moraes, (Belo Horizonte, 2002)”, a paraibana conta que já se chamou Maria do Socorro, Ana, Socorro Fragoso, Luiza e Josydeméia. Jô Moraes militou contra a ditadura, passou anos sem notícias da mãe, teve de largar os estudos vez ou outra e viu seu marido sumir numa missão secreta.

Waldir Porfírio explica que os depoimentos gravados nas audiências públicas se tornarão documentos que vão ser encaminhados para a Comissão Nacional da Verdade e para comissões estaduais, criando assim uma rede de preservação da memória em todo o país. As audiências públicas serão abertas ao público. As reuniões só serão sigilosas se algum depoente solicitar.

Ainda nesta sexta-feira (28), a Comissão da Verdade vai acompanhar a deputada Jô Moraes em uma homenagem ao seu ex-noivo, João Roberto Borges, às 10h, em Campina Grande. O então estudante da UFPB foi morto de forma misteriosa no final dos anos 1960 e agora terá seu nome no auditório da Universidade Federal de Campina Grande, quando será retirado o nome de Guilhardo Martins, à época reitor que ajudou a cassar centenas de estudantes e mais de 40 professores daquela universidade.

Apoio –A Comissão Estadual da Verdade conta com o apoio do Governo do Estado. Recentemente, o governador Ricardo Coutinho determinou a digitalização do arquivo do DOPS, com mais de 6.000 fichas. Uma produtora gravará todos os depoimentos nas audiências e um site da Comissão da Verdade será lançado agora em julho. As instalações onde os integrantes de reúnem também foram cedidas pelo Governo do Estado. O endereço é o 7º andar do antigo prédio do Paraiban, na avenida Epitácio Pessoa, na Capital.