Fale Conosco

6 de fevereiro de 2017

Com 98% de satisfação, Psicologia do Trauma de João Pessoa atendeu 121 mil pessoas em 2016



O setor de Psicologia do Hospital Estadual de Emergência e Trauma Senador Humberto Lucena, em João Pessoa, realizou em 2016 aproximadamente 121 mil atendimentos a pacientes, familiares e equipe multiprofissional. O serviço é um dos únicos do Estado que oferece ajuda psicológica desde a entrada do paciente até sua saída do complexo hospitalar. A qualidade no serviço é refletida na pesquisa de satisfação, que mostrou 98% de aprovação.

Para a coordenadora da Psicologia, Anne Michelle Paiva, o serviço que o setor oferece é extremamente valioso. “O que fazemos é auxiliar o paciente para minimizar o sofrimento provocado pela hospitalização. Além disso, prestamos assistência aos familiares dando suporte emocional, como também da equipe médica quando solicitada”, frisou.

De acordo com os dados estatísticos, de janeiro a dezembro de 2016, foram realizados no Hospital de Trauma 84.982 atendimentos e no Hospital de Traumatologia e Ortopedia da Paraíba (Htop) – retaguarda da unidade hospitalar – foram 36.067.

Os psicólogos da unidade de saúde atuam nas aéreas críticas da instituição, como Unidade de Terapia Intensiva, Unidade de Recuperação Pós-Anestésica (URPA), Unidades de Pacientes Graves (UPG), enfermarias, consultórios, entre outros.  Do mesmo modo, atua junto com uma equipe multidisciplinar para dar notícias como óbito ou amputações, como também diagnósticos que exijam mais atenção do médico.

A pesquisa de satisfação realizada pela Ouvidoria do hospital revelou que o setor tem 98% de aprovação. Segundo a psicóloga Amozinina Dantas, este relatório reflete bem o nosso trabalho. “Esse diferencial de atuação garante uma aceleração na alta do paciente, diminuindo os custos para o complexo hospitalar. Os números de 98% de satisfação dos pacientes e familiares são a consequência do nosso trabalho”, conclui.

Os familiares de João da Nóbrega Alves, 68 anos, que sofreu um acidente de motocicleta no último dia dois de fevereiro, são um exemplo disso. Eles agradecerem pelo trabalho realizado pela Psicologia do Trauma. “Ficamos muitos apreensivos quando soubemos do acidente, mas fomos logos confortados pela equipe de psicólogos que estavam de plantão. Isto fez toda diferença durante nossa permanência na unidade hospitalar”, comentou.