Fale Conosco

28 de novembro de 2012

Chesf anuncia R$ 160 milhões na expansão elétrica da Paraíba



28.11.12 visita diretoria chesf_fotos jose marquesA Companhia Hidro Elétrica do São Francisco (Chesf) vai investir R$ 160 milhões, em 2013, na área de transmissão de energia elétrica na Paraíba. O anuncio foi feito pelo presidente da companhia, o paraibano João Bosco de Almeida, durante audiência com o governador Ricardo Coutinho, na noite dessa terça-feira (27), no Palácio da Redenção.

Os empreendimentos que estão em processo de implantação são a Linha de Transmissão Pau Ferro/Santa Rita II, no valor de R$ 30 milhões, e a linha de transmissão Campina Grande a Ceará-mirim II, orçada em R$130 milhões. “Esses são projetos que possibilitarão uma melhoria do suprimento de energia elétrica, sendo o primeiro na região metropolitana de João Pessoa e a segunda da região de Campina Grande, além do escoamento da energia das usinas eólicas do Rio Grande do Norte”, explicou João Bosco.

O presidente da Chesf entregou ao governador um relatório com os investimentos da empresa na Paraíba em 2012 que chegaram a R$ 49 milhões. Foram R$ 42 milhões referentes à subestação Santa Rita II com seccionamento com a linha de transmissão de Mussuré, que começou a operar em julho de 2012 e mais R$ 7 milhões na subestação de Pilões, que iniciou o funcionamento este mês. “São obras que geram ICMS e empregos no Estado da Paraíba”.

De acordo com João Bosco, a Chesf vem mantendo um investimento entre R$ 40 e R$60 milhões nos últimos quatro anos no reforço dos sistemas de energia da Paraíba.

Durante a audiência, o governador Ricardo Coutinho, que esteve acompanhado do superintendente de Planejamento e Obras do Estado (Suplan), Ricardo Barbosa, agradeceu o trabalho de reforço da capacidade energética realizado pela Chesf na região de João Pessoa, Santa Rita e Campina Grande.

Ricardo Coutinho solicitou a Chesf que iniciasse estudos para projetos de ampliação da oferta de energia na mata sul da Paraíba onde estão sendo instaladas grandes cimenteiras. “Teremos, em pouco mais de um ano, o maior polo cimenteiro do Nordeste e estamos buscando dotar essa área de total infraestrutura”, acrescentou.

O presidente da Chesf disse que o processo de industrialização da área deve requerer uma expansão da energia e garantiu que a companhia iniciará estudos em parceria com o Governo do Estado para que no futuro essas cimenteiras possam operar dentro de uma segurança energética.