Fale Conosco

12 de outubro de 2011

Centro de Educação Produtiva Pindobal faz 1ª Caminhada “Vida Sim, Drogas Não”



Intensificar a campanha contra o uso de drogas e promover a interação entre o poder público e a sociedade civil são os objetivos da ‘1ª Caminhada Vida sim, drogas não’, que será realizada na cidade de Mamanguape nesta quinta-feira (13), às 8h. O evento será promovido pelo Centro de Educação Produtiva Pindobal (CEP), com a participação do Programa Estadual de Políticas sobre Drogas (PEPD/PB).

A caminhada sairá da Praça da Bíblia, no Centro de Mamanguape, às 8h, e em seguida os participantes se concentrarão no Centro Cultura Fênix, às 9h. Durante o dia também acontecerão palestrantes com a promotora da Infância e Juventude de Mamanguape, Ana Maria de França; o promotor de Justiça, Marinho Mendes; o comandante da 2ª Companhia de Polícia Militar de Mamanguape, major Fabian Alessandro, o coordenador do Encontro de Casais com Cristo (ECC), Severino Ramos, e a coordenadora com Centro de Atenção Psicossocial (Caps) Regional de João Pessoa, Mariles Martins.

CD para o Natal – O centro também está produzindo um CD de músicas clássicas e religiosas cantadas pelos adolescentes internos que será lançado no Natal. O CD é fruto das oficinas de músicas desenvolvidas no trabalho de reeducação dos jovens e a renda adquirida com a venda dos CDs será revertida para a manutenção do CEP.

O professor de música da oficina, Júlio César Moura, destacou que o desenvolvimento de habilidades artísticas e atividades de socialização são determinantes para reeducação dos adolescentes para que possam retornar à sociedade preparados para superar os desafios e se adequar ao mercado de trabalho sem voltar ao mundo das drogas. “Eles chegam aqui muito fragilizados e, aos poucos, vão retomando a confiança e descobrindo que são capazes de viver muito melhor sem as drogas”, declarou o professor.

Júlio César disse que o CD é direcionado principalmente a empresas, comunidades e escolas, para uso em atividades culturais, festivas e também educativas, mas poderá ser adquirido por qualquer pessoa.

Cursos profissionalizantes – Além das oficinas de músicas, os internos de 10 a 18 anos também participam de oficinas de artesanato e cursos profissionalizantes como de marcenaria, pedreiro de alvenaria, de acabamento e sanitário, informática e computação e ainda praticam esportes.

“Todos os cursos profissionalizantes oferecem certificado validado pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai). Alguns deles se estendem até para os moradores das comunidades vizinhas ao centro, como o curso de informática e computação, que teve 64 inscritos”, comentou o diretor do CEP, João Batista França.

O centro – O CEP atende apenas homens e tem 34 internos. Segundo João batista de França, 80% deles eram usuários de drogas. A maioria dos adolescentes é dos municípios de Santa Rita, Capim, Mamanguape, Mataraca e Rio Tinto. O centro de reeducação e ressocialização funciona desde 2008, no lugar onde funcionava o Centro Educacional do Adolescente (CEA), desativado em 2005.

Os recursos que mantêm a instituição são provenientes do pagamento de multas aplicadas pela Procuradoria Regional do Trabalho e são repassadas pela promotoria da Infância e Juventude de Mamanguape. Os internos moram no CEP durante a semana e fazem trabalho de reintegração nos finais de semana. A cada seis meses, cada um dos internos participa de uma audiência no juizado da Vara da Infância, onde é avaliado se o adolescente já pode receber alta da instituição.

João Batista França informou que as famílias ou interessados que se interessarem pelos serviços do CEP podem procurar contato com a diretoria através do telefone 8728-2774. O trabalho oferecido pelo centro é gratuito.

Usuários – A Paraíba possui 35 mil usuários de crack e 21,7 mil deles – 62% dos viciados identificados – são crianças e adolescentes com idade entre 10 e 18 anos, de acordo com pesquisa do Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas (Cebrid).