Fale Conosco

27 de setembro de 2011

Central de Transplantes encerra 11ª Campanha pela doação de órgãos



A Praça João Pessoa recebeu nesta terça-feira (27) um abraço simbólico dos funcionários da Central de Transplante da Paraíba, no encerramento da 11ª Campanha Estadual em prol da Doação de Órgãos e Tecidos. Animados pela Banda da Polícia Militar da Paraíba, eles estenderam faixas e se uniram aos servidores dos Poderes Legislativo, Executivo e Judiciário na defesa da doação de órgãos como ação imprescindível para salvar vidas.

Durante cinco dias, servidores públicos e pessoas que receberam órgãos doados realizaram mobilizações e debates para conscientizar a população sobre a importância da doação de órgãos. A campanha começou na última sexta-feira (23), na estação de trem da Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU), em João Pessoa, com a promoção “Trem da vida”.

Na estação, o pessoal da Central de Transplantes e vários pacientes transplantados participaram da mobilização animados por um grupo de forró. A equipe seguiu de trem até as cidades de Santa Rita e Cabedelo. Em todas as estações existentes no percurso foram feitas panfletagens com mensagens de conscientização.

No segundo dia da campanha houve um culto ecumênico, com a participação de familiares de doadores e receptores de órgãos e tecidos. O evento aconteceu no auditório do Instituto de Assistência à Saúde do Servidor (Iass). No domingo (25), foi a vez da “Caminhada pela Vida”, que partiu do Busto de Tamandaré, na praia de Tambaú. Na segunda-feira (penúltimo dia da campanha), o auditório do Iass sediou o “Momento Científico” da campanha. Ali, foram realizadas palestras de médicos transplantadores destinadas a profissionais da área de saúde.

Segundo informou a diretora da Central, Gyanna Lys Montenegro, os órgãos podem ser doados quando houver morte encefálica do doador, com exceção do rim, que pode ser transplantado com o doador vivo, e da córnea, que pode ser doada em até seis horas após a morte por parada cardiorrespiratória do doador.

Depois de comprovada a morte encefálica, a equipe médica trabalha para manter os outros órgãos funcionando com tratamento intensivo, enquanto a equipe da central de transplante se encarrega de abordar a família para que ela autorize a retirada dos órgãos.

Dados – Até o mês de agosto deste ano, 108 pessoas puderam recuperar a visão depois de receber um transplante de córnea. Além delas, 21 pessoas que receberam transplante de rim e outras duas que receberam a doação de fígado tiveram suas vidas salvas. Todos os transplantes de rins aconteceram em Campina Grande.

De acordo com os dados do Sistema Nacional de Transplantes, há hoje na Paraíba 305 pessoas esperando por um rim, 39 esperando por uma córnea, três esperando por um fígado e quatro esperando por um coração.

Para mais informações sobre doação de órgãos, os interessados podem acessar o endereço eletrônico www.saude.pb.gov.br/transplante ou ligar para a Central de Transplante no telefone 3244-6192.