Fale Conosco

23 de julho de 2009

Central de Transplante apóia encontro sobre diagnóstico de morte encefálica



A Associação Brasileira de Transplante de Órgãos (ABTO) promove um encontro regional com médicos intensivistas e neurologistas de João Pessoa e Campina Grande, a partir das 20h desta sexta-feira (24) até domingo (26), na Pousada Aruanã, no Conde.

O evento vai discutir a identificação, diagnóstico e manutenção de potenciais doadores de órgãos. A Central de Transplante da Paraíba e a Sociedade de Terapia Intensiva da Paraíba apóiam a iniciativa. 

O curso foi solicitado pela Central de Transplante da Paraíba, que pretende sensibilizar os médicos sobre a importância da abertura do protocolo para o diagnóstico de morte encefálica, contribuindo para o aumento das doações de órgãos, no Estado.

“Apesar de existir uma portaria do Ministério da Saúde, que obriga os médicos a abrirem o protocolo de morte encefálica, muitos profissionais não cumprem a determinação. Além de ser um direito da família do paciente, o protocolo é o primeiro passo para a doação dos órgãos”, explicou Gyanna Montenegro, diretora da Central de Transplante da Paraíba.

Os profissionais assistirão a palestras sobre a situação dos transplantes no Brasil e na Paraíba, o diagnóstico de morte encefálica, a manutenção das boas condições do paciente para a preservação dos órgãos, as dificuldades na abertura do protocolo de morte encefálica e a logística do transplante na Paraíba.

As palestras serão ministradas por Valter Duro Garcia (presidente da ABTO), Ciro Leite Mendes (presidente da Sociedade de Terapia Intensiva da Paraíba), Eliana Regis Barbosa (coordenadora da Central de Transplante do Ceará), Eraldo Salustiano de Moura (coordenador da Central de Transplante da Bahia), Myriam Carneiro (gerente para Ações Estratégicas da Central de Transplante da Paraíba), Ciro Mendes (presidente da Sociedade de Terapia Intensiva da Paraíba), Sérgio Domingues (médico intensivista) e Gyanna Montenegro.

A Central de Transplante da Paraíba tem 426 pessoas cadastradas para transplantes. Três aguardam um coração, 382 estão à espera de um rim, nove se inscreveram para receber um fígado e 32 querem uma córnea.

Assessoria de Imprensa da SES-PB