Fale Conosco

4 de julho de 2012

Cefor promove oficina para coordenadores e facilitadores do Curso Técnico em Vigilância em Saúde



O Centro Formador de Recursos Humanos (Cefor-PB) da Secretaria de Estado da Saúde inicia, nesta quarta-feira (4), a “2ª Oficina Pedagógica para coordenadores e facilitadores do Curso Técnico em Vigilância em Saúde”. O treinamento acontece até a próxima sexta-feira (6). O evento tem o objetivo de preparar os profissionais para o segundo módulo do Curso, cujo tema é: “Processos de Ação em Vigilância em Saúde”, que começa no próximo dia 09. O primeiro módulo foi realizado no período de dezembro de 2011 a junho deste ano.

O Curso é oferecido aos trabalhadores do SUS e acontece, de forma inédita, na Paraíba, preparando-os para as quatro áreas da Vigilância (Sanitária, Ambiental, Epidemiológica e Saúde do trabalhador).  “Nossa intenção é promover a excelência no ensino que está sendo desenvolvido e, para tanto, é fundamental compartilhar com os coordenadores e professores que cuidam diretamente desse processo e é importante ressaltar que não interessa ao Cefor desenvolver práticas avaliativas independente das pessoas que fazem o processo. Consideramos fundamental tornar coordenadores e professores co-responsáveis pela gestão do ensino que ministramos”, explica a diretora geral, Márcia Rique Carício.

De acordo com a programação, a oficina começa hoje (4), às 14 horas, no auditório do Cefor-PB, com uma reunião de avaliação, com todos os coordenadores dos municípios onde o curso está acontecendo (João Pessoa, Campina Grande, Patos, Cajazeiras, Catolé do Rocha, Monteiro e Cuité), e nos dias 05 e 06, das 08h às 18h, a atividade reúne coordenadores, facilitadores e gestores das Gerências Regionais de Saúde dos municípios que estão sediando o Curso.

A 2ª Oficina Pedagógica será ministrada pela assessora pedagógica do Cefor-PB, dra. Elisa Gonsalves, professora da UFPB. Ela explica que a temática central da oficina é a avaliação. “A ideia é utilizar a oficina como uma estratégia de acompanhamento das atividades pedagógicas realizadas. Pretendemos atingir dois níveis: o primeiro é o organizacional, que diz respeito aos aspectos curriculares e administrativos do curso, e o segundo é o didático, que diz respeito ao aproveitamento dos estudantes/trabalhadores e aos instrumentos de avaliação utilizados”, explica.

Para a Coordenadora Estratégica do Curso, Cínthia Galiza, a oficina será um momento único e rico porque vai reunir todas as pessoas envolvidas no processo. “Vamos estar todos juntos, compartilhando as facilidades, experiências exitosas, dificuldades, como também elencando as possibilidades de continuar promovendo um curso de qualidade que priorize o cuidado integral à saúde”, avalia.

O Curso Técnico em Vigilância em Saúde, financiado com recursos do Programa de Formação de Profissionais de Nível Médio para a Saúde (Profaps) e Educação Permanente em Saúde, tem carga horária de 1.440 horas e está dividido nos seguintes módulos:

Módulo Introdutório – “Desenvolvendo as Relações Humanas, a Coletividade e o Cuidado Mútuo” (40 h);

Módulo 01 – “Saúde e Vigilância em Saúde” (380 h);

Módulo 02 – “Processos de Ação em Vigilância em Saúde” (380 h);

Módulo 03 – “Vigilância em Saúde e Sociedade” (240 h);

Módulo 04 – Educação e Ação Comunicativa (160 h);

Estágio Supervisionado (240 h).