Fale Conosco

3 de fevereiro de 2012

CEE traça Planejamento Participativo e Estratégico das Atividades para 2012 e 2013



Conselheiros e funcionários do Conselho Estadual de Educação (CEE) reuniram-se, na Escola de Serviço Público do Estado da Paraíba (Espep), para traçar o seu Planejamento Participativo e Estratégico das Atividades, visualizando 2020 (de acordo com o Plano Nacional de Educação), mas com ênfase nos anos de 2012 e 2013. O objetivo é promover ações imediatas, tendo como eixo a qualidade da educação.

Segundo o presidente do CEE, José Francisco de Melo Neto, a preocupação não é com o quantitativo, já que a educação na Paraíba está dentro dos níveis nacionais de atendimento. Ele disse que o Conselho tem autonomia, mas está em sintonia com a Secretaria de Educação do Estado (SES). “Sendo assim, vamos nos debruçar nesse objetivo para contribuir ainda mais com a Secretaria”, disse Zé Neto.

Uma das decisões dos conselheiros, durante a reunião, é que nenhuma resolução do CEE será feita sem audiência pública. A autonomia financeira do Conselho e a interiorização de suas ações também estão entre ações que deverão ser colocadas em prática. “É importante também que continuemos a realizar reuniões dentro das escolas, para que haja a interlocução com a sociedade”, frisou Neto.

Para ajudar no Planejamento Participativo e Estratégico do CEE, esteve em João Pessoa o consultor em Processos Participativos (Planejamento, Gestão e Projetos), Sérgio Cordioli, de Porto Alegre. “Minha contribuição foi orientar no processo de planejamento, na definição de diretrizes de um plano de trabalho que fortaleça o Conselho, fazendo com que ele contribua com as ações e políticas educacionais do Estado, e que essas, por sua vez, resultem numa educação de melhor qualidade”, ressaltou Cordioli.

Entre as diretrizes do plano de trabalho está a informatização dos processos, a melhoria da comunicação com a sociedade, o monitoramento da qualidade da Educação no Estado e a revisão do Plano Estadual de Educação, que foi traçado para durar dez anos. “O Plano já tem seis anos. Por isso, essa revisão é necessária, até para que se possa saber o que vai acontecer nos próximos quatro anos”, disse o consultor gaúcho.

Além da participação dos 16 conselheiros e funcionários do CEE, participaram da reunião servidores da Gerência Executiva de Acompanhamento à Gestão Escolar (Geage), da Secretaria de Educação do Estado.