João Pessoa
Feed de Notícias

Cedmex: Crescimento está associado às melhorias no serviço pela gestão atual

terça-feira, 2 de março de 2010 - 12:03 - Fotos: 

Em menos de um ano, o número de usuários que receberam medicação no Centro Especializado de Dispensação de Medicamentos Excepcionais (Cedmex), vinculado à Secretaria de Estado da Saúde (SES), aumentou 43,92%, passando de 27.336 mil, em março do ano passado, para 39.343 mil, em janeiro deste ano. Segundo a direção do Cedmex, o crescimento está associado às melhorias realizadas no serviço, como a informatização dos cadastros, o aumento do estoque de medicamentos – que está em quase 100% – e a reforma nas instalações físicas.

De acordo com o levantamento feito pelo Cedmex, a 3ª Gerência Regional de Saúde (GRS), que fica em Campina Grande e reúne outros 41 municípios, foi a que distribuiu a maior quantidade de medicamentos, beneficiando 13.194 mil pessoas. A 1ª GRS, com sede em João Pessoa, e que agrupa mais 24 cidades, aparece em segundo lugar, com 8.832  usuários. A 2ª GRS, com sede em Guarabira e que tem mais 24 municípios, está em terceiro lugar, com 3.308 pessoas que receberam remédios especializados.

Cadastro – O número de usuários cadastrados também aumentou 50%, passando de aproximadamente 40 mil, em março de 2009, para cerca de 60 mil, em janeiro deste ano. Por dia, uma média de 60 novas pessoas procuram o Cedmex de João Pessoa para se cadastrar e cerca de mil comparecem ao serviço para pegar as medicações prescritas pelos médicos. “Acreditamos que esse aumento é o reflexo da credibilidade que conseguimos nesse primeiro ano de trabalho, com a compra de medicamentos, a reforma nas instalações físicas e a divulgação do serviço”, disse a diretora do Cedmex, Roberlândia Freire.

Uma das principais queixas dos usuários era a constante falta de medicamentos, que muitas vezes chegou a virar caso de Justiça. Para resolver o problema, a gestão atual, em parceria com o Ministério da Saúde (MS), investiu R$ 60 milhões na compra de remédios, de março a dezembro do ano passado, um aumento de 39,53% em relação a todo o ano de 2008, quando foram gastos apenas R$ 43 milhões.

Segundo Roberlândia , da lista de 223 medicamentos excepcionais, só estão faltando oito, mas a compra já foi feita. “A preocupação do secretário José Maria de França, desde que assumiu o cargo, era que todas as pessoas que procurassem o Cedmex tivessem acesso aos medicamentos. Por isso, nós investimos na compra dos remédios. Ainda não temos 100% do estoque, mas isso deve ser resolvido em breve, porque já realizamos as licitações, as compras já foram feitas e os medicamentos estão começando a chegar”, explicou. 

Rapidez no atendimento – Com a implantação do Sistema Informatizado de Dispensação de Medicamentos Excepcionais (Sismedex), o tempo de espera dos usuários na sede do Cedmex, em João Pessoa, que chegava a duas horas, no mínimo, caiu para 20 minutos. O sistema, desenvolvido pelo MS, foi implantando na Paraíba em julho do ano passado, mas o cadastramento dos usuários de João Pessoa só terminou no mês passado. O cadastramento dos usuários das outras 11 gerências começa no próximo mês e deve ser concluído até o final do ano.

“Sou transplantado há oito anos e antes eu pegava a medicação em São Paulo porque morava lá. Quando cheguei aqui, achei uma diferença grande porque lá já era tudo informatizado. Eu achava muito estranho esse negócio da gente ter que pegar o nosso processo toda vez que vinha buscar o remédio, sem falar no tempo que esperava. Antes, eu perdia uma manhã ou uma tarde inteira aqui e agora, não passo de 20 minutos. Faltava muito medicamento aqui. Os que eu tomo chegavam a faltar durante um mês e hoje, quando isso acontece, é, no máximo, por uma semana”, disse o engenheiro eletricista Jankees Van Der Poel, 40 anos.

Reforma - Para proporcionar mais conforto aos usuários, a SES investiu quase  R$ 100 mil na reforma do prédio onde funciona o Cedmex de João Pessoa. A sala de espera foi ampliada e climatizada e a farmácia ganhou um ambiente maior. “Eu chegava a esperar quase duas horas pra pegar o medicamento da minha mãe e agora, não passo de 20 minutos. Outra coisa boa foi a reforma que fizeram aqui, com a instalação de um ar condicionado porque antes era um sofrimento pra todo mundo ter que esperar um tempão no calor”, comentou a professora Josicleide Gonçalves, 41 anos, de Bayeux.

Assessoria de Imprensa da SES/PB