João Pessoa
Feed de Notícias

Casa de José Américo e Secult realizam sessão cultural ‘Letras, Cores e Sons’

sexta-feira, 30 de setembro de 2011 - 11:08 - Fotos:  Secom-PB

Quarenta integrantes do Coral Vozes da Infância, da Escola Municipal de Artes, da Prefeitura de João Pessoa, abriram a sessão cultural ‘Letras, Cores e Sons’, promovida pela Fundação Casa de José Américo. Sob a coordenação do ator e diretor Luiz Carlos Vasconcelos, apresentaram músicas em vários estilos durante o evento, que também trouxe atividades nas áreas artes plásticas e literatura.

Os cantores infantis apresentaram as músicas ‘Festival Sanctus’ (de John Leavitt), ‘Aleluia’ (de Henry Purcell), ‘Ave Maria dos Andores’ (de Vicente Paiva e Jaime Redondo), ‘Sete cantigas para voar’ (de Vital Farias), ‘Na base da chinela’ (de Jackson do Pandeiro e Rosil Cavalcanti) e ‘Chiclete com banana’ (de Gordurinha e José Gomes).

A sessão cultural ‘Letras, Cores e Sons’ foi realizada na noite desta quinta-feira (29), na sede da Fundação Casa de José Américo, em João Pessoa, numa ação conjunta com a Secretaria de Estado da Cultura.

Programação variada – As apresentações ocorreram no pátio da Casa de José Américo, na praia de Cabo Branco, e foram vistas por atores, músicos, poetas, artistas plásticos, escritores e jornalistas, além de políticos e assessores do Governo, dentre os quais a secretária de Desenvolvimento Humano, Aparecida Ramos, o secretário de Cultura, Chico Cesar, e a presidente da Fundação Espaço Cultural José Lins do Rêgo, Lucineia Maia de Souza Bezerra.

Ao recepcionar o público, o presidente da Fundação Casa de José Américo, Flávio Sátiro Fernandes Filho, falou da importância de cada uma das expressões descritas no nome do evento: das letras, que traduzem a inspiração dos autores; das cores, que expressam o tempo, e dos sons das músicas, diretamente relacionados às coisas boas, à alma e aos sentimentos bons das pessoas.

Flávio Sátiro falou da homenagem feita pelo município de Caicó (RN) à memória do ex-governador José Américo de Almeida, que também foi romancista, ensaísta, poeta e cronista, além de político, advogado, professor universitário, folclorista e sociólogo. Quando ministro da Viação e Obras Públicas do Governo Getúlio Vargas, José Américo autorizou a construção do Açude Público Itans, de Caicó. A obra foi concluída em 1935 e inaugurada no dia 2 de fevereiro de 1936, livrando o município do flagelo das secas.

Desde julho deste ano, o açude tem o nome do político paraibano por iniciativa do presidente da Câmara Municipal de Caicó, vereador Dilson Fontes, em conjunto com o prefeito da cidade, Rivaldo Costa. A José Américo também foi concedido o título de Cidadão Honorário de Caicó, in memória.

Diplomas – Para agradecer o reconhecimento à memória de José Américo, a Fundação concedeu ao vereador Dilson Fontes e ao prefeito Rivaldo Costa o Diploma do Mérito Cultural José Américo de Almeida, comenda que também foi concedida ao cantor e compositor pessoense Adeildo Vieira, pela sua contribuição à cultura paraibana. Após a entrega das comendas, Adeildo fez uma apresentação especial junto com seus filhos Rudá e Uaná.

Literatura – Foram relançados os títulos de autores paraibanos ‘Assinatura’ (de Valberto Cardoso), ‘Monteiro Lobato e a problemática da Nação’ (de Simão Farias Almeida), ‘Nem aqui, nem ali, nem acolá’ (de Palmari Lucena), ‘O amigo velho’ (Revista Funes), ‘O decifrador de sonhos’ (de José Bezerra Filho) e ‘Riacho de Prata’ (de Paulo Abrantes).

Cartaz e exposições – Também foi lançada a versão atualizada do Cartaz dos Governadores Paraibanos (FCJA), elencando todos os governantes paraibanos desde 1889 até 2011, e o público também pode contemplar duas exposições de artes plásticas, destacando as artes santeira e de cordel, com os títulos: ‘Neuma Fechine Borges – a grande dama do cordel’ e ‘Ana Pamplona – a imaginária sertaneja’.

Da exposição de Neuma Fechine Borges constaram exemplares de folhetos de cordel do seu acervo particular doados à Fundação Casa José Américo, além de textos de sua produção literária. Já Ana Pamplona expôs cerca de 50 peças de madeira confeccionadas por ela.

Rede de corais no interior – Uma Rede de Coros Juvenis com o objetivo de estimular e promover a formação em canto nos municípios do interior da Paraíba está sendo articulada pelo Governo do Estado, através da Secretaria de Educação.

Neste mês de outubro deverá ser lançado edital para que as prefeituras interessadas em aderir ao projeto possam promover suas inscrições, segundo informou Luiz Carlos de Vasconcelos, coordenador do Coral Vozes da Infância.

Criado em outubro de 2010 com o objetivo, não somente de promover a prática da formação musical, mas também a formação de cidadãos motivados e integrados à sociedade, o Coral Vozes da Infância conta com a participação do maestro Hélio Medeiros, do músico João Linhares, que cuida da direção artística, e do curador e maestro convidado, Elias Moreira, de São Paulo.