Fale Conosco

13 de março de 2014

Casa da Ladeira promove performance de Frida Kahlo e exposição Papel Machê



A Casa da Ladeira, com apoio da Secretaria da Mulher e da Diversidade Humana, promove, nesta sexta-feira (14) e sábado (15), a performance “Las dos Fridas”, da atriz Petra Ramalho, inspirada na artista plástica mexicana Frida Kahlo. O evento integra o calendário de mais de 50 ações do mês de março alusivas ao 8 de Março – Dia Internacional da Mulher. Na ocasião, será aberta a exposição Papel Machê, organizada pelo curador e arte-educador Neuri Mossmann, de peças confeccionadas por usuários de Centros de Atenção Psicossocial de João Pessoa.

Durante os dois dias também acontecerá um bazar, que tem como objetivo arrecadar fundos para a manutenção da Casa da Ladeira, um espaço destinado a todas as formas de manifestações artísticas, como performances, saraus, oficinas de arte. Também serve como ponto de apoio para eventos e trabalhos sociais desenvolvidos na área.

A atriz Petra Ramalho vem desenvolvendo uma pesquisa teatral sobre a pintora mexicana há 10 anos. A performance “Las dos Fridas” homenageia a pintora mexicana Frida Kahlo, conhecida por utilizar tons quentes e motivos aparentemente surrealistas. “A própria Frida afirmava que era surrealista, mas não o era. Ela dizia que nunca pintou seus sonhos, mas sim sua realidade”, comentou Petra.

Frida viveu uma vida trágica. Teve poliomielite na infância e sofreu acidentes e lesões que a impediram de realizar seu sonho de ser médica. Teve um casamento instável com o também pintor Diego Riviera. Fez uma série de auto-retratos nos quais também retratava tragédia de vida. Entre eles está o “Las dos Fridas”, pintura que registra a dual personalidade de Frida: a influência europeia vinda do pai (que era alemão) e da cultura mexicana, que se deve a sua mãe e também a Diego Rivera, seu marido.

A Casa está localizada na Ladeira de São Francisco, 115, nas proximidades da Casa da Pólvora, no Centro Antigo de João Pessoa, área gerenciada e protegida por órgãos como o Iphan e Iphaep. Nos arredores se encontram comunidades do Roger e do Porto do Capim, que são convidadas a participar ativamente das atividades promovidas no espaço.

“Buscaremos atender às necessidades dos moradores da região, como das comunidades do Roger e Porto do Capim, bem como dos artistas que realizam suas atividades nas proximidades da Casa, como por exemplo, a Praça Anthenor Navarro, em cujos arredores se encontram o Conventinho (local onde será instalada a Casa de Artes do Município), a Igreja de São Frei Pedro Gonçalves, restaurantes, bares e sedes de grupos teatrais, como os “Quem tem boca é pra gritar” e “Sertão teatro”, disse Petra Ramalho.