Fale Conosco

3 de dezembro de 2010

Campus de Patos realiza projeto através do Karatê



Alunos participantes do projeto de extensão “Karatê como instrumento de inclusão social”, promovido pelo Campus VII da Universidade Estadual da Paraíba, instalado em Patos, têm dado mostras de que levam a prática esportiva a sério. Em apenas três competições, a equipe já conquistou 14 títulos, sendo dois de primeiro lugar, nove de segundo e três de terceiro. A atividade começou em 2009, sob a coordenação do professor Odilon Avelino, diretor do Centro de Ciências Exatas e Agrárias (CCEA) da UEPB.
  Conforme os idealizadores, o projeto tem como objetivo proporcionar a inserção social de crianças e adolescentes que vivem em áreas de risco nos municípios paraibanos de Patos e Soledade, através da prática do Karatê. Os treinamentos estão sendo realizados não apenas no Campus VII, mas também nas instalações do Serviço Social da Indústria (SESI) e na Escola Nosso Lar Tio Juca, envolvendo aproximadamente 100 pessoas.
 
Para a execução do projeto, Odilon Avelino (que é faixa-preta 1º Dan e tri-campeão paraibano de luta), conta com o apoio do professor Jurandir Olímpio Alves (faixa-preta 5º Dan e ex-aluno do curso de Educação Física da UEPB) e da bolsista Jéssika Taiza de Melo, estudante de Educação Física do Campus I da UEPB. Além disso, a Universidade Estadual da Paraíba e a Secretaria de Educação de Patos participam diretamente do empreendimento. O Dan é uma das graduações dessa arte marcial. Na classificação de faixas pretas, Dan significa grau, sendo a primeira faixa preta a de 1º Dan, a segunda faixa preta 2º Dan e assim por diante em ordem crescente. Em um plano simbólico, o preto se refere aos conhecimentos apurados durante anos de treinamento.
  
Na última competição na qual se inscreveram, a “1ª Taça de Karatê do Colégio Alfredo Dantas (CAD)”, em Campina Grande, os alunos do projeto conquistaram seis medalhas. Um dos destaques da equipe foi o aluno Djavan Ferreira, que obteve o primeiro lugar na categoria adulto. Além dele, os estudantes Wallyson José, Lucas Bezerra e Antonio Ricardo foram vice-campeões em suas categorias, enquanto os estudantes Joseildo dos Santos e Ionara Pereira ficaram em terceiro lugar.
Para os praticantes, o próximo passo é continuar se preparando para o exame de faixa, que acontecerá no dia 05 de dezembro, às 9h, no Campus de Patos.

Mais sobre os benefícios do Karatê

Segundo o professor Odilon Avelino, a utilização do Karatê como esporte, difundido na comunidade sertaneja – envolvida com os projetos de extensão da UEPB – surge como um instrumento de auxílio diante dos muitos problemas que afligem a sociedade, particularmente as crianças e os adolescentes. “Muitos não têm acesso ao básico que uma pessoa necessita para viver e terminam seguindo por caminhos tortuosos que os levam a uma vida desregrada, sem perspectivas”, explicou.

  O Karatê é uma das práticas orientais que utilizam princípios filosóficos capazes de auxiliar na autoconfiança e autovalorização -  fundamentais para o resgate da identidade social. “Para alcançar os objetivos pretendidos, a metodologia se baseia em aulas práticas das técnicas, preleções de conhecimento sobre a importância da arte, aulas de concentração e autocontrole, conversas motivacionais, participação em competições e exames de faixa”, disse Avelino. Assim, ao mesmo tempo em que se desperta nos participantes o interesse pela arte e pelo esporte, é possível promover a saúde física e mental, a sensibilidade, o domínio do ritmo, a coordenação motora, o espírito de cooperação e trabalho em grupo, entre outros.

Na opinião dos organizadores, no decorrer do projeto de extensão “Karatê como instrumento de inclusão social”, muitos praticantes melhoraram o comportamento, diminuíram a agressividade, deixaram vícios e passaram a conviver melhor com as pessoas em casa, nas ruas e na escola. Também se tornaram mais afetivos, emocionalmente controlados e concentrados. Além de idealizarem perspectivas de melhoras no futuro, eles já anseiam por outras conquistas, dessa vez muito maiores, que vão além das competições esportivas.

 

Ascom/UEPB