Fale Conosco

6 de fevereiro de 2018

Campanha aborda direitos das Crianças e Adolescentes no desfile das Muriçoquinhas do Miramar



05 02 18 muriçoquinhas do Miramar 19 270x169 - Campanha aborda direitos das Crianças e Adolescentes no desfile das Muriçoquinhas do MiramarO Governo da Paraíba, por meio da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Humano (SEDH), participou, na segunda-feira (5), do desfile do bloco Muriçoquinhas do Miramar, em João Pessoa. A ação ocorreu pelo quinto ano consecutivo e levou ações informativas que abordam os Direitos da Criança e do Adolescente. Este ano, a temática foi a proteção da criança com perspectivas para um futuro melhor e mais próspero.

A Paraíba é o primeiro estado a ter o próprio serviço do disque-denúncia, o Disque 123, programa que facilita o acompanhamento dos casos de violação, mantendo sigilo, o que representa avanço na garantia de direitos.

“Esse trabalho que a secretaria faz de mobilização e sensibilização dessa temática é muito importante para esta época de carnaval. A gente percebe que mesmo em um momento de muita agitação, as crianças juntamente com os pais prestam atenção às atividades lúdicas que o estande do Disque 123 disponibiliza. A ideia é que os foliões parem e reflitam naquelas crianças que estão sendo exploradas com o trabalho infantil”, considerou Sílvia Regina Tavares representante do Tribunal de Justiça e atuante na equipe multidisciplinar da coordenadoria da Infância e Juventude.

Para a técnica da Proteção Social Especial de Média Complexidade, Ana Paula Batista, este é um momento em que a população precisa saber da importância dessa temática do abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes que se configura enquanto uma das piores formas de violência infantil. “Considero este trabalho de informação muito valioso para a população. É através da informação que a secretaria mostra os serviços que disponibiliza na luta diária de enfrentar a violação de direitos”, destacou Ana Paula.

O coordenador da Remar da Paraíba, Lorenzo Delaini, ressaltou que o carnaval é um momento de massa e que deve ter um olhar diferenciado. “Precisamos unir forças com as instituições governamentais, sociedade civil, organizações que trabalham à frente da defesa dos direitos da crianças e adolescentes para continuar buscando a efetivação dos direitos e estrutura para os jovens terem mais oportunidades de serem cidadãos ativos e uma sociedade mais justa e fraterna”, comentou.

A coordenadora do Disque 123, Wberlania Andrade, considerou que o diferencial deste ano foi o envolvimento de todos os atores e protagonistas que trabalham diretamente na política de combate à violação de direitos. “Quando a gente começa a se unir por uma causa maior, percebe que existe transformação”, ponderou.