João Pessoa
Feed de Notícias

Brejo ganhará duas barragens e adutoras para resolver problemas de falta d’água

segunda-feira, 11 de abril de 2011 - 17:02 - Fotos: 

O governador Ricardo Coutinho anunciou nesta segunda-feira (11), durante a solenidade que marcou os 100 primeiros dias de gestão, um projeto hídrico para resolver definitivamente a falta de água no Brejo paraibano.  Após estudos técnicos, o governo decidiu utilizar os recursos de R$ 75 milhões inicialmente previstos para a barragem de Manguape para viabilizar três projetos que incluem a construção de um novo manancial, em substituição a Camará, de adutoras e ainda da barragem de Pitombeiras. As obras vão beneficiar mais de 200 mil habitantes da região.

Os três projetos foram encaminhados para o Ministério de Integração Nacional e Ministério do Planejamento na semana passada. Os recursos serão disponibilizados da seguinte forma: R$ 27 milhões para a construção da Nova Camará, R$ 39 milhões para a construção de adutoras nos municípios de Esperança, Remígio, Lagoa, Cepilho, Alagoa Nova e Matinhas e mais R$ 9 milhões para construir a barragem de Pitombeiras, que irá abastecer a região de Alagoa Grande.

De acordo com Ricardo Coutinho, com o dinheiro que seria utilizado para apenas a barragem de Manguape será possível, em um ano e meio, levar água as torneiras dos moradores de 21 localidades na região do Brejo. “Enquanto alguns faziam demagogia, estudávamos uma solução viável para o problema da falta d`água e verificamos que a barragem de Manguape que foi pré-selecionado no PAC 2 teria uma água salobra e uma localização que geraria um investimento muito grande para levar água para os municípios mais altos”, explicou o governador.

Ainda na área de abastecimento o Governo destravou o processo que impedia a realização da construção da adutora São José, em Campina Grande, cujas obras serão retomadas no final do mês e a possibilitou a inclusão de obras importantes no PAC II, a exemplo dos serviços de saneamento básico de João Pessoa, Campina Grande Cajazeiras, Guarabira e Santa Rita (juntos chegam a R$ 83 milhões).