João Pessoa
Feed de Notícias

Bonecas produzidas por internas do presídio feminino atraem público em Campina

quarta-feira, 27 de novembro de 2013 - 10:47 - Fotos: 

A exposição de bonecas produzidas por internas do Presídio Feminino de Campina Grande que participam do programa de ressocialização da Secretaria da Administração Penitenciária, chamou a atenção do público que viu a mostra montada na Praça da Bandeira, no Centro da cidade, na manhã da terça-feira (26).

Os produtos ficaram expostos das 8h às 12h e fizeram com que o estande da Seap recebesse muitos visitantes. A professora Gilmara Soares adquiriu uma boneca e elogiou o trabalho das detentas. “É simplesmente um trabalho perfeito. Impressionante como elas capricham nos detalhes das bonecas”, disse.

Outra visitante que se tornou cliente foi a cabeleireira Ione Matias, que é membro da Força Florestal Voluntária Brasil. Ela comprou uma boneca para a filha e também elogiou o trabalho de ressocialização das detentas: “Antes de tudo, ocupa a mente dessas mulheres, o que já é um fator muito positivo. Além disso, é uma forma de ensinar a elas um meio digno de sobrevivência, para quando saírem da prisão”.

De acordo com o secretário da Administração Penitenciária, Wallber Virgolino, a produção de bonecas em unidades prisionais femininas de Campina Grande e João Pessoa é um sucesso reconhecido. “E não poderia ser diferente, pois nós fazemos essas exposições em vários pontos e setores estratégicos da nossa sociedade. Esse trabalho é apresentado em universidades, fóruns judiciais, em grandes eventos do Estado, como o Salão do Artesanato. Enfim, é muita gente conhecendo e comprando essas bonecas”, disse Wallber.

Os produtos são produzidos exclusivamente pelas reeducandas. Uma parte do dinheiro vai para a compra de material a ser usado na produção de novas bonecas, e a outra parcela dos recursos é dividia entre as detentas que trabalham no projeto. “Lembrando que esse dinheiro é entregue à família da reeducanda, ou seja, não fica na unidade penal”, ressaltou Virgolino.