João Pessoa
Feed de Notícias

Bombeiros orientam como proceder em casos de engasgo

terça-feira, 7 de fevereiro de 2012 - 11:12 - Fotos: 

Os casos de engasgo são comuns e as equipes de socorristas do Corpo de Bombeiros são treinadas para prestar assistência rápida e qualificada às vítimas. Segundo o subtenente Marcos Felipe Soares de Souza, do 2º Batalhão de Bombeiros Militar, sediado em Campina Grande, a primeira providência a ser tomada é pedir orientações através do número 193.

O engasgo ocorre como conseqüência de uma reação do próprio organismo à ingestão incorreta de alimento ou acidental de um objeto, que tomam o caminho errado.

Na parte superior da laringe localiza-se a epiglote, que funciona como uma porta que permanece aberta para permitir a chegada do ar aos pulmões e se fecha quando engolimos algo, a fim de bloquear a passagem do alimento para os pulmões e encaminhá-lo ao estômago.

O engasgo ocorre justamente quando há o encaminhamento incorreto do alimento, do objeto, ou de um líquido nessa passagem pela epiglote.
Caso a vítima esteja acordada, inicialmente pede-se para que ela tussa na tentativa de eliminar ativamente o corpo estranho. Segue-se a realização da manobra de Heimlich, em que a pessoa é postada de pé para facilitar a expulsão do objeto que estiver obstruindo sua via aérea.

A Manobra de Heimlich é o melhor método pré-hospitalar de desobstrução das vias aéreas superiores por corpo estranho. Essa manobra foi descrita pela primeira vez pelo médico estadunidense Henry Heimlich em 1974 e induz uma tosse artificial, que deve expelir o objeto da traqueia da vítima. Resumidamente, uma pessoa fazendo a manobra usa as mãos para fazer pressão sobre final do diafragma. Isso comprimirá os pulmões e fará pressão sobre qualquer objeto estranho na traqueia.

Deve-se posicionar atrás da pessoa engasgada e abraçá-la na altura do estômago. O passo seguinte é fazer pressão num ciclo de cinco a oito vezes, ao mesmo tempo, para comprimir o abdômen contra os pulmões, forçando o desbloqueio da epiglote. No caso do cadeirante, o procedimento é o mesmo, com um diferencial de que o socorrista estará por trás da cadeira.

No caso de engasgo com líquido, a vítima deve ser colocada no chão, numa posição de conforto e o socorrista deve auxiliar na retirada do líquido, utilizando gazes, pano ou toalha.

Caso a pessoa esteja só, ela deve procurar um objeto rígido (cadeira ou sofá) e colocar a região abdominal (entre o diafragma e o umbigo), se apoiar e tentar fazer pressão interna com o próprio corpo.

No caso de engasgo com gestante, fazer uma linha imaginária entre um mamilo e outro e se posicionar no esterno fazendo à compressão, sempre com uma mão sobreposta à outra.

Para demonstrar a maneira de socorrer corretamente uma vítima de engasgo, o subtenente Marcos Felipe e os soldados Flávio Félix e Itamar Ferreira da Silva simularam uma ocorrência, representada nas imagens a seguir: