Fale Conosco

17 de outubro de 2011

Bombeiros levam técnicas de prevenção de acidentes à escola



Um trabalho preventivo com alunos da rede pública de ensino do Estado está sendo realizado pelo Corpo de Bombeiros Militar da Paraíba. Por meio do Projeto Bombeiro na Escola, os soldados levam ao ambienta escolar o conhecimento técnico necessário no combate a incêndios domésticos, principalmente em relação a vazamentos seguidos de fogo em botijão de gás de cozinha (GLP).

Nesta segunda-feira (17), na Escola Estadual de Ensino Fundamental Dáurea Santiago Rangel, no bairro do José Américo, uma guarnição do Corpo de Bombeiros fez uma apresentação sobre o procedimento correto em casos de acidentes envolvendo botijões de gás, com uma demonstração do tenente Severino Simão Leite. Os alunos se interessaram e quiseram logo aprender a realizar o combate na prática. Houve interação com todos, principalmente por meio de perguntas – inclusive sobre a prevenção a outros tipos de acidentes domésticos, como incêndios por meio de fiação elétrica ou de equipamentos eletrônicos.

Os alunos do 9º ano Gabriel Dias e Glaucy Emily, ambos de 14 anos, disseram que hoje se sentem capazes de combater um pequeno incêndio, tanto nas suas residências como de vizinhos. “Também estamos preparados para ensinar a outras pessoas”, garantiu Glaucy.

Para a professora Rita Varela Silva da Costa, diretora do educandário, o comando do Corpo de Bombeiros está de parabéns com esse projeto. “É muito importante, tanto para os alunos como para nós, professores”, disse. A diretora adjunta Francineide Maria Marcone compartilha da mesma opinião. “Os bombeiros nos ensinaram muitas coisas. É um trabalho valioso”, avaliou.

 

Multiplicadores – O Projeto Bombeiro na Escola foi criado com o objetivo de levar conhecimento de primeiros socorros aos alunos da rede pública de ensino da Paraíba e é desenvolvido em parceria com a Secretaria de Estado da Educação.

 

O tenente Severino Simão disse que o comandante do Corpo de Bombeiros, coronel Jair Carneiro de Barros, quer desenvolver o projeto com mais intensidade, principalmente devido aos constantes acidentes envolvendo botijão de gás. Ele quer que esses conhecimentos cheguem ao maior número possível de estudantes, que passarão a ser agentes multiplicadores do projeto.