Fale Conosco

5 de outubro de 2015

Boletim da dengue registra redução de 57,14% de óbitos causados por dengue



A Secretaria de Estado da Saúde (SES), por meio da Gerência Executiva de Vigilância em Saúde, divulgou, nesta segunda-feira (5), o boletim da dengue nº 9, referente ao período de 1º de janeiro a 24 de setembro, no qual se observa uma redução de 57,14% de óbitos causados por dengue, em relação ao mesmo período do ano passado. Em 2015, foram registrados três óbitos e em 2014, sete. No país, no entanto, houve um acréscimo significativo de óbitos confirmados.

“No país, em 2015, houve 614 óbitos confirmados por dengue, enquanto que, no ano passado, foram 390. Isso demonstra um acréscimo significativo, decorrendo da falta de água no Sudeste, onde registra o maior quantitativo de óbitos, diferente do que vem ocorrendo na Paraíba. Isso é o resultado de um trabalho que vem sendo desenvolvido para detecção precoce dos casos e, assim, evitar agravamentos que levem a óbitos”, argumentou a gerente executiva da Vigilância em Saúde da SES, Renata Nóbrega.

Aumentam notificações – Embora tenha sido registrada uma redução no número de óbitos, o boletim revela um acréscimo de 272,19% nas notificações dos casos suspeitos de dengue. De janeiro a setembro, foram notificados em todo estado 24.922 casos suspeitos de dengue, enquanto que no mesmo período, em 2014, foram 6.696 casos.

A incidência do Estado da Paraíba encontra-se em 500,72 casos a cada 100 mil habitantes, o que sinaliza a epidemia para o ano de 2015, acompanhando o panorama nacional, visto que no Brasil até a 30ª semana epidemiológica (de janeiro a agosto), a incidência foi de 665,9 casos a cada 100 mil habitantes.

“Diante deste cenário, se faz necessário que a população participe das ações de combate ao mosquito Aedes Aegypti, junto às secretarias municipais, fazendo a sua parte, a exemplo de colocar areia nos vasos de plantas; não deixar expostos a céu aberto, pneus, garrafas pet e outros reservatórios que acumulem água e venham a ser criadouros, e outras atitudes”, lembrou Renata.

A SES está realizando uma série de ações de combate ao vetor e alinhamentos para correto manejo dos pacientes acometidos pela doença, entre elas, a entrega dos equipamentos para dar suporte à assistência a 16 unidades hospitalares que atendem a todas as regiões do estado; visita técnica aos municípios que registraram suspeita de óbitos (Campina Grande, Duas Estradas, Marcação, Alhandra, São João do Rio do Peixe, Guarabira, Cruz do Espírito Santo, Santa Rita e Sousa), para acompanhamento e recomendação das ações de vigilância; participação de videoconferência sobre dengue e Chikungunya, com equipe técnica do Ministério da Saúde; parceria com a UFPB e Lacen para o isolamento viral de dengue na Paraíba; articulação e adequação da rede de referência para recebimento e condução dos casos graves, visando a redução do número de óbitos e reunião com o Ministério Público para discutir a situação da dengue no estado.

Municípios em epidemia – Atualmente, são 111 municípios paraibanos considerados em epidemia: Água Branca, Alagoa Grande, Alagoa Nova, Alagoinha, Alcantil, Alhandra, Aparecida, Arara, Areia de Baraúnas, Areial, Aroeiras, Assunção, Bananeiras, Baraúna, Barra de Santana, Bayeux, Belém, Bernardino Batista, Boa Vista, Bom Jesus, Brejo dos Santos, Caaporã, Cabaceiras, Cabedelo, Cachoeira dos Índios, Cacimba de Areia, Cacimbas, Caiçara, Cajazeiras, Caldas Brandão, Camalaú, Capim, Catolé do Rocha, Caturité, Conde, Coremas, Coxixola, Cruz do Espírito Santo, Cuité, Cuitegi, Diamente, Dona Inês, Duas Estradas, Fagundes, Frei Martinho, Guarabira, Gurjão, Ingá, Itabaiana, Itaporanga, João Pessoa, Juarez Távora, Juazeirinho, Junco do Seridó, Juripiranga, Juru, Lagoa Seca, Logradouro, Lucena, Mãe d’Água, Manaíra, Marizópolis, Matinhas, Maturéia, Mogeiro, Monteiro, Mulungu, Nazarezinho, Nova Olinda, Nova Palmeira, Ouro Velho, Parari, Pedra Lavrada, Pedro Régis, Piancó, Picuí, Pilõezinhos, Pirpirituba, Pitimbu, Prata, Princesa Isabel, Puxinanã, Remígio, Riachão, Riachão de Santo Antônio, Riachão dos Cavalos, Salgado de São Felix, Santa Helena, Santa Rita, Santana dos Garrotes, Santarém, Santo André, São Bento, São Domingos, São João do Rio do Peixe, São José de Princesa, São José do Sabugi, São José dos Ramos, São Mamede, São Sebastião do Umbuzeiro, Serra Grande, Sertãozinho, Sousa, Tavares, Teixeira, Triunfo, Uiraúna, Umbuzeiro, Várzea, Vieirópolis e Zabelê.

Chikungunya – Na Paraíba, até a 38ª semana epidemiológica, foram notificados 16 casos suspeitos nos municípios de Pombal (1), Alhandra (1), Campina Grande (1), Umbuzeiro (2), Coremas (1), João Pessoa (3), Rio Tinto (1), Cajazeiras (6), dos quais 14 foram descartados, um está sob investigação e um caso foi confirmado, sendo proveniente de Feira de Santana, na Bahia, e estava em visita em Cajazeiras.

Para a notificação, a Secretaria de Estado da Saúde coloca à disposição os telefones: 0800-281-0023/ 3218-7331/ 9-8828-2522.

Zika Vírus – A Secretaria de Estado da Saúde implantou as unidades sentinelas do Zika vírus, conforme preconiza o Ministério da Saúde, que é composta por unidades de saúde (chamadas de unidades sentinela) que identificam, investigam e notificam, quando confirmados, os casos do agravo em questão.

Guillain Barré – No mês de julho e agosto de 2015, foram informados pelos serviços hospitalares 15 casos suspeitos de Guillain Barré, sendo 12 descartados e três em investigação (um com suspeita de dengue ou esquistossomose e dois com suspeita de zika).

Clique aqui e confira, na íntegra, o Boletim epdeimiológico Dengue Chikungunya e Zika N 09 2015.