João Pessoa
Feed de Notícias

Banco de Leite Humano reforça apelo para adesão de novas doadoras

quinta-feira, 21 de maio de 2015 - 08:51 - Fotos:  Ricardo Puppe

O Banco de Leite Humano Anita Cabral, referência em toda Paraíba, reforça o apelo para que mães com excedente lático se tornem novas doadoras.

A disseminação de informações sobre como funciona o serviço de bancos de leite no estado, a sensibilização da população e a desmistificação de algumas idéias errôneas são atitudes fundamentais. “A grande mídia tem papel fundamental na divulgação do nosso trabalho e, especialmente, para mostrar à população que muitos bebês precisam da doação de leite materno. Nós precisamos massificar as informações para que mais mães cheguem até nós e se tornem, consequentemente, novas doadoras”, salientou a diretora do Banco de Leite Anita Cabral, Thaíse Ribeiro.

De acordo com Thaíse, alguns mitos ainda afastam as potenciais doadoras dos bancos de leite e postos de coleta. “Existem muitas mães com excesso de leite e que ainda ficam em dúvida com relação à possibilidade da doação. As doações não impedem que as mães amamentem seus filhos, o leite não vai secar e as doadoras não ficarão fracas. É um processo natural, indolor, além de ser um gesto de solidariedade”, explicou.

A rede de bancos de leite do Estado possui o serviço de rota domiciliar. “Basta a doadora entrar em contato conosco e falar do seu desejo de doar. Pegamos seus dados pessoais, seu telefone e seu endereço para que nossa equipe vá até a casa dela, ou no local onde ela preferir. Entregamos os frascos de vidro e já começam as doações. A doadora não precisa se deslocar, nós vamos até ela e estabelecemos este vínculo em todo o processo de doação”, explicou Thaíse.

Nos primeiros três meses deste ano, a diretora observou que houve um aumento da demanda de leite (mais bebês internados e outro por mais tempo nas UTI’s), principalmente na Maternidade Frei Damião, em João Pessoa, e por isso os estoques tendem a cair. “Tivemos o mês de férias, feriados prolongados como no Carnaval e Semana Santa e tudo isso contribui para a diminuição dos estoques. Em janeiro, tínhamos mais de 100 litros de leite em estoque. Hoje esse número caiu para 50 litros, o que não é considerado estoque, tendo em vista que serve apenas para a manutenção do consumo de entrada e saída de leite”, alertou Thaíse.

A legislação em bancos de leite garante a prioridade de distribuição de leite aos bebês prematuros de baixo peso. “Atualmente, o Banco de Leite Anita Cabral atende UTI’s da Região Metropolitana de João Pessoa: Maternidade Frei Damião, Hospital Edson Ramalho, Hospital Universitário Lauro Wanderley, Unimed, UpVida, Cline e Hospital Flávio Ribeiro (em Santa Rita). A demanda é grande. São muitos bebês prematuros que precisam de nossa ajuda”.

Thaíse salienta que a consciência da solidariedade precisa ser implantada em todos. “Antes de tudo, é preciso acreditar na causa e apoiar. Incentivando as mães a doarem um pouco de seu leite, apoiar a prática da amamentação, comentar com amigos e conhecidos sobre o serviço de bancos de leite e doar vidros para a arrecadação do leite. Tudo isso ajuda muito”.

Suênia Danielle tem duas filhas, uma de seis anos e uma de cinco meses. Na primeira gestação, teve alguns contratempos no parto e não pôde amamentar a filha. Na segunda, o excedente lático a tornou doadora. “Dôo leite desde fevereiro deste ano. É muito gratificante ter a chance de ajudar outros bebês que precisam me deixa ainda mais feliz”.

O Banco de Leite Anita Cabral funciona na Maternidade Frei Damião, na Capital, e fornece suporte técnico para toda rede. Para entrar em contato, é só telefonar para (083) 3215-6047. A equipe também tem um grupo no Whatsapp para as doadoras através do telefone (083) 8851-8221.

Doação – Para ser doadora, basta a mulher estar amamentando, ser saudável e ter produção de leite maior que a necessidade do seu bebê. Para doar é só procurar uma das unidades distribuídas em todo o estado.

O leite doado é processado e analisado pelo laboratório do Anita Cabral, certificado pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), o qual garante a inativação dos protozoários, vírus, fungos e bactérias patogênicas, oferecendo ainda a informação de todas as características físico-químicas, tais como grau de acidez, quantidade de gordura e maturidade do produto. Isso garante que cada receptor atendido receba o leite específico para seu quadro clínico.

Leite humano – O leite doado tem como objetivo alimentar a criança, oferecendo a ela a energia calórica, macronutrientes (como proteínas, carboidratos, lipídios, sais minerais, potássio, fósforo e cálcio) necessários para o funcionamento e nutrição do organismo humano. No entanto, pelos fatores imunológicos que apenas o leite humano oferece, ele age no organismo – em especial do bebê prematuro – como um fármaco, favorecendo a recuperação da saúde, através dos agentes imunológicos, e proteção contra doenças e infecções que podem vir a acontecer durante a permanência do prematuro em unidade neonatal.

Doações – Até o mês de maio de 2015, foram coletados, na Paraíba, 2,5 mil litros de leite. No ano de 2014, 8 mil litros de leite humano foram arrecadados. Já em 2013, o Estado recebeu a doação de 7 mil litros de leite.

Receptores – Neste ano, 3,5 mil bebês já receberam leite materno doado. Em 2014, 11.180 foram beneficiados. Já em 2013, 10.316 bebês receberam o leite arrecadado em todo o Estado.

Mais um posto de coleta – No próximo dia 25, às 10h, a Secretaria de Estado da Saúde (SES) inaugura o posto de coleta de leite materno do Hospital Geral de Mamanguape (HGM). Com isso, a Paraíba passa a ter a maior rede de coleta do Nordeste, com 19 postos e seis bancos de leite espalhados por todo estado.

A meta do posto do HGM é prestar serviço humanizado em promoção, proteção e apoio ao aleitamento materno a mais de 100 mil pessoas dos 12 municípios do Vale do Mamanguape (Mamanguape, Baía da Traição, Jacarau, Marcação, Rio Tinto, Itapororoca, Duas Estradas, Pedro Régis, Cuité de Mamanguape, Mataraca, Curral de Cima e Capim). A expectativa é captar doadoras e coletar, em média, 40 litros de leite, por mês.