João Pessoa
Feed de Notícias

Balanço final da ‘Operação Sequela 2′ será apresentado durante coletiva

sexta-feira, 14 de maio de 2010 - 10:03 - Fotos: 

Os representantes dos órgãos que desenvolveram a Operação Sequela 2 concedem uma entrevista coletiva, nesta sexta-feira, a partir das 10h30 no auditório da sede da Procuradoria Geral de Justiça, em João Pessoa, para informar o balanço final da operação. Participarão da coletiva o diretor geral da Agência Estadual de Vigilância Sanitária (Agevisa), José Alves Cândido, o procurador geral de Justiça, Oswaldo Trigueiro, o promotor dos Direitos do Consumidor, Glauberto Bezerra, e representantes dos demais órgãos envolvidos na operação.

A entrevista coletiva acontecerá logo após o lançamento da ‘Campanha Comercializar Cigarros Contrabandeados e Falsificados é Crime’, pela Agevisa, também na sede da Procuradoria Geral de Justiça. O lançamento da Campanha está previsto para iniciar às 9h30.

Dados parciais da Operação Sequela 2

O segundo dia de inspeções da Operação Sequela 2 aconteceu no município de Campina Grande, onde foram inspecionados 10 estabelecimentos comerciais nos bairros do Centro, Liberdade, Quarenta e José Pinheiro. Foram apreendidos aproximadamente três mil comprimidos de medicamentos com venda proibida ou controlada e 2.577 carteiras de cigarro contrabandeados ou falsificados, o equivalente a oito mil carteiras do produto. Duas farmácias foram interditadas e dois homens foram presos acusados de tráfico de drogas e comércio ilegal de medicamentos. 

A ação foi acompanhada pela promotora da Saúde, Adriana Amorim, Receita Federal, Vigilância Sanitária de Campina Grande, Conselho Regional de Farmácia, polícias Federal, Civil e Militar e Corpo de Bombeiros. As inspeções de combate à venda de cigarros contrabandeados ou falsificados aconteceram em seis pontos comerciais da Feira Central de Campina Grande.

A Operação também inspecionou quatro farmácias nos bairros da Liberdade, Quarenta, Centro e José Pinheiro. Nestes dois últimos, duas farmácias foram interditadas. O estabelecimento do bairro da Liberdade recebeu notificação de suspensão de todas as atividades. Entre os medicamentos apreendidos foram encontrados comprimidos de ‘pramil’ (para disfunção erétil), de venda proibida. Todas foram autuadas e responderão a processo administrativo.

Presos encaminhados à Polícia Federal

De acordo com o diretor Técnico de Medicamentos e Alimentos da Agevisa, João Peixoto, os dois presos foram encaminhados à Polícia Federal. “Nas farmácias inspecionadas encontramos diversos tipos de medicamentos de uso hospitalar com venda proibida ao comércio. Estamos autuando todas que estão irregulares para evitar que a saúde da população sofra qualquer tipo de risco e fazer com que seja cumprida as portarias da Anvisa, que controla todas as normas sanitárias”, disse.

Segurança à saúde da população

O diretor geral da Agevisa destacou a importância da operação e aprovou os resultados. “São ações como esta que garantem mais segurança à saúde da população. Os cigarros contrabandeados multiplicam os males que podem ser causados à saúde. Da mesma forma a venda ilegal de medicamentos. A Agevisa faz cumprir normas de comercialização para evitar que as pessoas fiquem expostas às consequências do consumo de medicamentos proibidos, no sentido de dar proteção à saúde da população paraibana”, destacou.

Da Assessoria de Imprensa da Agevisa