Fale Conosco

17 de março de 2017

Atenção Básica é tema de encontro na 6ª Gerência Regional de Saúde



Aconteceu na última quarta-feira (15) no auditório da 6ª Gerência Regional de Saúde, em Patos, a 1ª Oficina de Nivelamento da Atenção Básica, destinada a coordenadores da atenção básica e do NASF – Núcleo de Apoio à Saúde da Família. O evento tem como facilitadores a equipe de apoio matricial e institucional da 6ª Gerência, que desenvolve importante papel na qualificação, orientação e ajuda nas ações desenvolvidas pelos municípios.

O objetivo central é atualizar conhecimentos, para que todos conheçam os indicadores relevantes que devem ser acompanhados pelos municípios, portarias, ouvir das coordenações quais suas principais dificuldades e a Gerência oferecer seu devido apoio, através da equipe técnica, para tentar equacionar os problemas apresentados.

O PMAQ - Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica, foi um dos vários assuntos da pauta. A meta do programa não é simplesmente oferecer possibilidades para a melhorar da infraestrutura das unidades de saúde. “O PMAQ estabelece ao município instrumentos de avaliação, monitoramento de indicadores, possibilidade de plano de ação, intervenção e planejamento. Isso leva ao objetivo principal que á a melhoria de acesso com qualidade aos serviços do SUS”, esclarece Davi Nunes, apoiador institucional da 6ª Gerência de Saúde.

Essa primeira oficina contou com a presença de aproximadamente 40 pessoas, algumas estreando na coordenação da atenção básica, sendo esse um dos motivos da atualização oferecida pela Gerência. Outros pontos discutidos foram a nova política de Atenção básica, Portaria 2488/11, NASF, que está sendo revisada, E-Sus, Gestão de Saúde e indicadores de saúde.

O apoiador institucional, Paulo Sérgio, deu grande ênfase à humanização do SUS, a responsabilidade que as equipes devem ter, na ampliação do contato direto com a população, ouvi-la, conhecê-la e buscar a resolutividade de seus problemas. “É preciso que, quem está na linha de frente da atenção básica conheça com profundidade a realidade, as necessidades da cada habitante e tente solução para suas angústias”, disse Paulo.

O gerente regional de saúde, José Leudo Farias, segue o mesmo pensamento. Para ele política de saúde básica tem que ser feita não apenas nas unidades de saúde, mas na visitação, conhecendo a comunidade, aprendendo com as informações que a pessoa, o ambiente proporciona para que as ações aconteçam satisfatoriamente.