Fale Conosco

7 de novembro de 2014

Arlinda Marques é o primeiro hospital público do Norte e Nordeste a criar protótipos para neurocirurgia



O Complexo de Pediatria Arlinda Marques, que integra a rede hospitalar do Estado, é o primeiro hospital público das regiões Norte e Nordeste a realizar a Prototipagem Rápida ou Manufatura Aditivada para procedimentos neurocirúrgicos. O planejamento cirúrgico, por meio da prototipagem rápida, tem por objetivo propiciar intervenções mais rápidas e menos arriscadas, com custos também menores. Dois procedimentos cirúrgicos, sendo um de crânio e outro de coluna, já foram realizados no Arlinda Marques pela Prototipagem Rápida ou Manufatura Aditivada.

De acordo com o professor da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), Rômulo Oliveira, esse procedimento é um processo de construção de modelos físicos da anatomia humana. “Esses modelos são baseados nas tomografias computadorizadas do paciente. Desta forma, os protótipos são individualizados e representam com fidelidade a estrutura anatômica”, explicou.

Ainda segundo o professor, as técnicas de prototipagem rápida são baseadas no princípio de construção de um modelo 3D – camada por camada – e o  resultado final é uma cópia em escala real da região anatômica escolhida.

Como exemplo dessa nova técnica cirúrgica, o professor Rômulo Oliveira cita um caso em que uma menina tinha uma escoliose grave. “Produziu-se um modelo 3D, que irá facilitar a equipe do médico Christian Diniz, chefe do serviço de Neurocirurgia do Hospital Arlinda Marques, a abordar a patologia com conhecimento prévio da anatomia e das nuances que sua equipe iria enfrentar”, afirmou.

O professor Rômulo Oliveira ressalta ainda que a Prototipagem Rápida ou manufaturada Aditivada facilita a comunicação entre o médico e o paciente, ficando mais fácil explicar o procedimento, visualiza as áreas pouco acessíveis; simula o processo cirúrgico reduzindo o número de procedimentos; permite criar guias cirúrgicos; auxilia no diagnóstico e ajuda a planejar cirurgias reduzindo custos e riscos de longas cirurgias.

O diretor geral do Complexo de Pediatra Alinda Marques, Bruno Leandro de Souza, explicou que essa nova técnica representa mais um avanço na área de alta complexidade e mostra mais uma vez a disposição e a determinação do Governo do Estado em dotar o Arlinda Marques do que há de mais moderno na área de saúde infantil e com isso proporcionar um atendimento com qualidade e mais eficaz às crianças paraibanas e até mesmo de outros estados  que  procuram o Arlinda Marques em busca de atendimento especializado em pediatria.

Para nós é uma grande satisfação termos a oportunidade de utilizar a prototipagem na neurocirurgia, tecnologia presente em poucos serviços de neurocirurgia do Brasil,   para realizar as  cranioplastias, (procedimentos realizados para corrigir  falhas ósseas), cranioestenoses (fechamento precoce das suturas), onde planejamos previamente os cálculos e medição dos avanços juntamente com matemático, facilitando o transoperatório e reduzindo o tempo cirúrgico”, comemorou o chefe da Neurocirurgia do Complexo de Pediatria Arlinda Marques, médico Christian Diniz.

Ele afirma também que com a criação do centro de deformidades faciais e da coluna vertebral, e principalmente na  escoliose, a prototipagem é muito importante para os cirurgiões  estudarem as rotações, cifoses e angulações da coluna, facilitando o planejamento da colocação dos parafusos e dos seus respectivos tamanhos, tendo conhecimento prévio dos pedículos distorcidos anatomicamente pela doença.  “Esse feito deveu-se ao apoio de uma firma privada, juntamente com o LT3D- NUTES-UEPB/CAMPUS I/ Paraíba e Governo do Estado que tornaram possível a realização deste projeto”, finalizou.