Fale Conosco

25 de julho de 2016

Ambulatório para Travestis e Transexuais completa três anos e é referência nacional



O Ambulatório de Saúde Integral para Travestis e Transexuais, situado no Complexo Hospitalar de Doenças Infectocontagiosas Clementino Fraga, completa três anos de fundação neste domingo (24). Nesse período, já são 210 usuários cadastrados. Desse total, 14 são travestis, 41 homens trans e 155 mulheres trans, somando um total de 2.182 atendimentos desde sua inauguração até a data atual.

O espaço foi implantado na primeira gestão do governador Ricardo Coutinho, quando foi entregue à população LGBT o primeiro ambulatório TT do Nordeste e o quarto do Brasil no ano de 2013. Desde então, a unidade vem sendo gerenciada pelo acadêmico de Serviço Social, Sérgio Araújo.

De acordo com os dados do ambulatório, 70% dos usuários fazem a terapia hormonal e o acompanhamento para o processo transexualizador.  No período desses três anos, puderam ser verificados alguns avanços, dentre eles a cirurgia de raspagem do denominado pomo de adão (tireoplastia), feita em mulheres trans. Ainda há registros de liberação de pareceres para três mulheres trans, e quatro homens trans, para realização das cirurgias de transgenitalização e a mastectomia em outros estados e países.

Por ser o único ambulatório funcionando no Nordeste acolhendo travestis e transexuais de diversos estados brasileiros, a unidade é referência também para atendimento a usuários dos 223 municípios da Paraíba, por meio do TFD -Tratamento Fora do Domicilio, haja visto a cidade ou estado do usuário não ter acompanhamento para o processo transexualizador.

Novo bloco cirúrgico – As negociações para implantação do bloco cirúrgico no Hospital Universitário Dr. Lauro Wanderley já estão bem adiantadas, segundo o responsável técnico pelo ambulatório e ginecologista, Eduardo Sérgio. “O mais breve possível estaremos realizando a primeira cirurgia de mastectomia no nosso estado pelo SUS”, anunciou.

Equipe – O ambulatório TT da Paraíba é referência para o Ministério da Saúde, pois conseguiu implantar o serviço com todos os profissionais que a portaria 2.803 de 19 de novembro de 2013 preconiza. Nos quatro primeiros meses de funcionamento foram registrados 210 atendimentos divididos nos cinco profissionais, que na época atendiam as especialidades de ginecologista, endocrinologia, psiquiatria, psicologia, e fonoaudiologia.

Hoje, o atendimento foi ampliando para mais três profissionais, sendo um urologista, um assistente social e uma técnica de enfermagem, além de uma mulher trans, Andreina Gama, que recepciona os usuários na porta de entrada do serviço. Após essas novas especialidades, o ambulatório TT atendeu, nos seis primeiros meses deste ano, 670 pessoas.

Horário de funcionamento – O Ambulatório de Saúde Integral para Travestis e Transexuais funciona de segunda a sexta-feira, das 07h às 12h e das 13h às 17h. Toda consulta deve ser previamente agendada no próprio ambulatório, situado no Complexo Hospitalar de Doenças Infectocontagiosas Clementino Fraga, no bairro de Jaguaribe, em João Pessoa.